The Word Foundation
Compartilhe esta página



A

WORD

Vol 13 MAIO 1911 No. 2

Copyright 1911 por HW PERCIVAL

SOMBRAS

(Contínuo)

As impressões recebidas ao contemplar uma sombra e os efeitos produzidos são geralmente que a sombra tem as características de irrealidade, falta de substância, melancolia, escuridão, escuridão, impermanência, incerteza, fraqueza e dependência, de que é um efeito produzido por uma causa e que é apenas um esboço ou descrição.

Uma sombra produz uma sensação de irrealidade, porque, embora pareça ser alguma coisa, ainda assim, quando examinada, parece não ser nada. No entanto, tem realidade, embora em menor grau do que o objeto de que é a sombra e a luz que a tornam visível. As sombras sugerem irrealidade porque, por elas, é possível perceber a mutabilidade e a irrealidade dos objetos sólidos aparentemente reais que os causam. As sombras dão uma impressão de instabilidade porque elas não parecem ter nenhum problema em sua composição e porque não podem ser apreendidas e mantidas e porque a matéria de que são compostas geralmente não é detectada e não foi submetida a análise. A imaterialidade e estranheza sugeridas pelas sombras simbolizam o quão insubstancial é a forma da matéria do corpo que elas representam.

As sombras são símbolos de impermanência, porque elas vêm e vão, e nenhuma confiabilidade pode ser colocada nelas. Embora sejam aparentes ao sentido da visão, sua instabilidade indica como, como eles, os objetos e a luz que os fazem passarão. A escuridão segue e é companheira de uma sombra, porque uma sombra obscurece e apaga a luz daquilo em que cai e a escuridão repousa sobre aquilo em que a luz está obscurecida.

As sombras são as precursoras das trevas, porque mostram a passagem da luz e indicam que, como suas sombras, os objetos desaparecem na escuridão com a passagem da luz que os torna visíveis.

De todas as coisas, as sombras são dependentes e contingentes porque não podem existir sem o objeto e a luz que as tornam visíveis e porque se movem e mudam à medida que a luz ou o objeto muda. Eles ilustram como todos os corpos dependem do poder que os causa e seus movimentos.

Uma sombra é uma imagem de fraqueza, porque dá lugar a tudo e não oferece resistência, e sugere a fraqueza comparativa dos objetos em comparação com as forças que os movem. Embora tão evidentemente fracas e intangíveis, as sombras às vezes causam alarme e aterrorizam aqueles que as encontram inesperadamente e as confundem com realidades.

Apesar da aparente inofensividade e evidente irrealidade das sombras, existem crenças estranhas a respeito das sombras. Essas crenças são comumente chamadas de superstições. Entre eles estão as crenças a respeito dos eclipses e as noções mantidas sobre as sombras de certos tipos de pessoas e sobre as próprias sombras. Contudo, se antes de pronunciar superstições como vagueiras ociosas da mente e sem qualquer base de fato, deveríamos examinar sem preconceito e com cuidado as crenças mantidas, deveríamos descobrir com freqüência que cada crença chamada superstição e que foi transmitida pela tradição, é uma sombra que teve sua origem no conhecimento dos fatos. Aqueles que acreditam sem saber o porquê são considerados supersticiosos.

O conhecimento de todos os fatos relativos a qualquer crença em particular chamada supersticiosa geralmente mostra que ela se baseia em fatos importantes.

Uma das superstições de que aqueles que conhecem os países orientais conta é a superstição contra a sombra de um homem ou mulher de cabelos ruivos. Um nativo evitará atravessar a sombra de muitas pessoas, mas teme atravessar a sombra de quem tem cabelos ruivos ou a sombra de uma pessoa ruiva cair sobre ele. Diz-se que uma pessoa ruiva é frequentemente vingativa, traiçoeira ou maldosa, ou é aquela em que os vícios são particularmente pronunciados, e a crença é que sua sombra impressionará grande parte de sua natureza naqueles em quem repousa.

Se essa crença sobre a natureza de uma pessoa ruiva é ou não verdadeira, a crença de que alguém é afetado pelas sombras é mais do que mera fantasia. É a crença tradicional que teve sua origem no conhecimento dos efeitos e de suas causas. Aqueles que sabiam que uma sombra é a projeção da sombra, cópia ou fantasma de um objeto em combinação com a luz que a mistura e a projeta, também sabiam que certos elementos essenciais da natureza daquele corpo são transmitidos e impressos pela sombra e sombra na pessoa ou no local em que caem. Uma pessoa muito sensível pode sentir algo da influência da sombra invisível e da sombra aparentemente visível, mesmo que não conheça as causas que a produzem ou a lei pela qual foi produzida. A luz que causa a sombra carrega consigo algumas das essências mais refinadas do corpo e direciona o magnetismo desse corpo para o objeto no qual a sombra cai.

Uma superstição compartilhada por pessoas de muitos países e que foi e muitas vezes causa motivo de alarme é a superstição sobre eclipses. Um eclipse do sol ou da lua, acredita-se por muitos, e especialmente pelo povo oriental, deve ser um tempo de jejum, oração ou meditação, pois acredita-se que em tais ocasiões prevalecem influências estranhas que, se forem o mal pode ser combatido e, se o bem puder ser aproveitado pelo jejum, oração ou meditação. Nenhuma explicação específica é dada, no entanto, sobre as causas e a maneira pela qual essas influências são produzidas. O fato é que um eclipse é um obscurecimento da luz pela qual a cópia ou sombra do corpo que obscurece a luz é projetada e cai como uma sombra de SOMBRA no objeto do qual a luz é obscurecida. Quando a lua fica entre o sol e a terra, há um eclipse do sol. Em um eclipse do sol, a terra está na sombra da lua. Durante o eclipse do sol, a lua intercepta o que é chamado de raios solares, mas outros raios de luz do sol passam e projetam a natureza sutil e essencial da lua sobre a terra e, portanto, afetam os indivíduos e a terra de acordo com a influência predominante da luz solar. sol e da lua, de acordo com a sensibilidade dos indivíduos e a estação do ano. Durante um eclipse do sol, a lua exerce uma forte influência magnética sobre toda a vida orgânica. Todos os indivíduos têm relação magnética direta com a lua. É por causa do fato básico da influência magnética da lua durante um eclipse do sol que crenças estranhas são mantidas e fantasias estranhas são entregues a respeito do eclipse.

O fato de algumas pessoas sustentarem crenças estranhas a respeito das sombras sem saber o porquê, não deve impedir que outras pessoas investiguem a causa de tais crenças nem os prejudique contra o estudo das sombras.

A terra é o corpo que causa um eclipse da lua. Em um eclipse da lua, portanto, a sombra da terra cai sobre a lua. A luz causa uma certa precipitação em todos os objetos ao seu alcance e influência. Em um eclipse da lua, o sol projeta a sombra da terra na superfície da lua e a lua reflete os raios sombrios do sol e, por sua própria luz, transforma a sombra e a sombra de volta na terra. A terra, portanto, ao eclipsar a lua é refletida em sua própria sombra e sombra. A influência que prevalece então é a do interior da terra em combinação com a luz do sol refletida pela lua e com a própria luz da lua. Geralmente, supõe-se que a lua não tenha luz própria, mas essa crença se deve a um mal-entendido sobre a luz. Toda partícula de matéria e todo corpo no espaço tem uma luz peculiar a si mesma; no entanto, geralmente não deve ser assim, porque o olho humano não é sensível à luz de todos os corpos e, portanto, a luz da maioria dos corpos é invisível.

Influências peculiares das sombras prevalecem durante todos os eclipses, mas aqueles que sabem o que são não devem aceitar crenças predominantes sobre eles com credulidade indevida, nem ser preconceituosos contra essas crenças por seus aparentes absurdos.

Aqueles que examinam o assunto das sombras de maneira inteligente e imparcial descobrirão que todas as sombras produzem uma influência que é da natureza do objeto e da luz que o projeta, e varia de acordo com o grau de sensibilidade da pessoa ou da pessoa. superfície sobre a qual essa sombra cai. Isso se aplica ao que é chamado de luz natural ou artificial. É mais pronunciado, no entanto, com a luz solar. Todos os corpos que passam entre o sol e a terra influenciam aquilo em que caem as sombras, mesmo que a influência possa ser tão leve que seja imperceptível para o observador comum. O sol está constantemente precipitando na terra as influências dos espaços através dos quais atua e as naturezas essenciais dos corpos que interceptam alguns de seus raios. Isso pode ser percebido no caso de nuvens. As nuvens servem a um propósito, protegendo a vegetação e a vida animal da intensidade da luz solar. A umidade da nuvem é precipitada pela luz do sol na superfície em que a sombra cai.

Outra crença comum no Oriente, que é considerada superstição no Ocidente, é que alguém pode prever sua condição futura olhando para sua própria sombra. Acredita-se que a pessoa que olha firmemente para sua sombra quando é jogada no chão pela luz do sol ou da lua e depois olha para o céu, verá o contorno de sua figura ou sombra a partir da qual, de acordo com sua cor e os sinais nele, ele pode aprender o que acontecerá com ele no futuro. Dizem que isso só deve ser tentado quando houver um céu claro e sem nuvens. É claro que a hora do dia afetaria o tamanho da sombra, conforme a esfera de luz que a projetava estava próxima ou acima do horizonte, e diz-se que quem assim olharia para a sombra deveria fazê-lo quando o sol ou a lua está nascendo.

Essas crenças fazem pouco bem e muitas vezes prejudicam aqueles que praticam a prática sem entender a lei das sombras ou sem a capacidade de fazer uso do que entendem. Não é provável que a crença oriental na previsão do futuro pela invocação da sombra de alguém tenha se originado em fantasia ociosa.

A sombra de uma pessoa, lançada pela luz do sol ou da lua, é uma fraca contraparte de seu corpo. Quando alguém olha para a sombra assim lançada, ele não vê a princípio essa contraparte. Ele vê apenas a parte do fundo sobre a qual a sombra é projetada, conforme delineada pela luz à qual seus olhos são sensíveis. A luz da sombra em si não é percebida ao mesmo tempo. Para ver a sombra, o olho do observador deve primeiro ser sensibilizado e capaz de registrar os raios de luz que o corpo físico não é capaz de interceptar e que luz, passando por seu corpo físico, projeta uma cópia do seu corpo antes ele. A cópia de seu corpo é uma semelhança de seu corpo astral, de forma ou de design. Se ele puder perceber o corpo astral ou de design de sua estrutura física, verá a condição interior de seu corpo físico, que corpo físico é a expressão visível e externa da condição invisível e interior. Quando ele olha para a sombra, ele vê a condição interior de seu corpo tão claramente quanto veria a expressão em seu rosto olhando no espelho. Enquanto no espelho ele vê pela reflexão e vê as partes invertidas da direita para a esquerda, sua sombra é vista por projeção ou emanação e há uma mesmice da posição.

(Continua)