The Word Foundation

Destemor, sinceridade, assiduidade em devoção, generosidade, autocontrole, devoção e esmola, estudo, mortificação e retidão; inofensividade, veracidade e liberdade da raiva, resignação, equanimidade e não falar das falhas dos outros, compaixão universal, modéstia e brandura; paciência, poder, fortaleza e pureza, discrição, dignidade, falta de vingança e liberdade da presunção - essas são as marcas daquele cujas virtudes são de caráter divino, ó filho de Bharata.

-Bhagavad-Gita. CH. xvi.

A

WORD

Vol 1 DEZEMBRO, 1904. No. 3

Direitos autorais, 1904, de HW PERCIVAL.

CRISTO.

No vigésimo primeiro dia de dezembro, o sol, cujos dias estão diminuindo desde o vigésimo primeiro dia de junho, inicia o solstício de inverno, no signo capricórnio, o décimo signo do zodíaco. Os três dias seguintes foram dedicados pelos antigos a ritos religiosos. À meia-noite do vigésimo quarto, que é o começo do vigésimo quinto, como a constelação conhecida como Virgem Celectial ou Virgem, o sexto signo do zodíaco, surgiu acima do horizonte, eles cantaram louvores e foi então anunciou que o deus do dia nasceu; que ele seria o Salvador do mundo das trevas, miséria e morte. No dia 25 de dezembro, os romanos realizaram um festival de alegria - o festival solar - em homenagem ao nascimento do Deus do Dia, e os jogos no circo começaram em meio a grande alegria.

Esse deus dos dias, o Salvador do mundo, era o filho de quem a virgem Ísis se chamava mãe naquela inscrição no templo de Saïs, que dizia: “O fruto que eu gerei é o sol”. Nesta temporada (Natal -tide) foi celebrada não apenas pelos romanos, mas pelos antigos de todos os tempos, quando se dizia que a imaculada Virgem-Natureza-Ísis-Maya-Égua-Maria deu à luz o Sol da Justiça, o Deus do Dia, o Salvador do mundo.

O local de nascimento é descrito de maneira diferente por diferentes povos. Os egípcios falam disso como uma caverna ou caixão, os persas disseram que era uma gruta, os cristãos afirmam que era uma manjedoura. Em todos os mistérios, no entanto, a idéia de cada um foi preservada, pois foi do santuário ou da caverna sagrada que nasceu o Iniciado, o Nascido Duas Vezes, o Glorificado, e era seu dever sair ao mundo para pregar. e ensinar e à luz da verdade que havia nele para confortar os entristecidos e angustiados; curar doentes e coxos, e salvar o povo das trevas da morte da ignorância.

Mergulhado no mercantilismo, no escolasticismo e no materialismo da teologia, o mundo ilumina essas crenças antigas.

O sol é um símbolo do Cristo, o Sol central, espiritual e invisível, cuja presença no corpo é salvá-lo da dissolução e da morte. Os planetas são os princípios que tornam realidade a aparência do corpo visível como o universo físico, e enquanto esse corpo ou universo físico durar, o Sol Espiritual fará sentir sua presença. Os fenômenos solares eram, portanto, indicativos dos tempos e estações em que esse princípio de Cristo poderia se manifestar melhor na consciência do homem; e a época do Natal foi um dos momentos importantes em que os ritos sagrados foram realizados nos Mistérios.

Ninguém que tenha pensado no assunto pode deixar de ver o fato de que a história da natividade de Jesus, Zoroastro, Buda, Krishna, Hórus, Hércules ou qualquer dos salvadores do mundo é a história característica e descritiva. da jornada do sol através dos doze signos do zodíaco. Como na jornada do sol, assim é com todo Salvador: ele nasce, é perseguido, prega o evangelho da salvação, aumenta em força e poder, conforta, cura, anima e ilumina o mundo, é crucificado, morre e é enterrado , para renascer e ressuscitar em sua força, poder e glória. Negar esse fato é proclamar nossa própria ignorância ou nos declarar intolerantes e intolerantes.

"Mas", reclama o sectário, nervoso e temeroso, "devo admitir que isso é um fato que acabará com a minha esperança e promessa de redenção e salvação". "Admita isso", diz o seguidor exultante do materialismo que não vê em o coração daquele a quem ele considera ser seu oponente, e não pensando na dor que ele está dando e na esperança que ele está removendo daquele crente, “admita isso e você pronuncia a destruição de todas as seitas e religiões. Desmoronarão e desaparecerão como um campo de neve sob o sol escaldante.

Para ambos, sectário e materialista, respondemos: É mais nobre admitir a verdade, embora deva fazer com que os fetiches e ídolos que construímos entre a luz e nós sejam removidos e nos deixem nus, do que continuar acreditando. em um mundo de trevas povoado por monstros invisíveis. Mas alguma fase da verdade é declarada pelo religioso e pelo seguidor do materialismo. Cada um é, no entanto, um extremista; cada um pensa que é seu dever forçado convencer o outro de seu erro e convertê-lo em sua própria crença. Há um terreno comum para eles. Se cada um se colocar no lugar do outro, encontrará o que lhe falta para completar sua fé, o outro o tem.

O cristão não precisa temer que ele perca sua religião, caso aceite fatos. O materialista não precisa temer perder seus fatos se aceitar a religião. Nada do que vale a pena guardar pode ser perdido por quem realmente busca a verdade. E se a verdade é realmente o objeto da busca do homem da religião e do homem dos fatos, o que então pode tirar o outro?

Se o religioso reconhecer os fatos frios e duros do materialista, eles destruirão seu céu com seus portões perolados ao redor dos ídolos que ele ali consagrou, dissiparão as fantasias sempre crescentes de nuvens de suas paixões superaquecidas e acalmarão os espíritos perturbados. no inferno, cujos fogos estão queimando aqueles inimigos que não aceitariam sua fé e seguiriam as doutrinas em que ele acreditava. Depois de remover as irrealidades, ele descobrirá que, após a queima dos ídolos e do lixo, resta uma presença viva que não pode ser descrita pelo cinzel ou pincel.

Se o materialista se colocar no lugar do sincero religioso, ele descobrirá que brota dentro dele um poder, uma luz, um fogo, que lhe permite assumir responsabilidades, desempenhar seus deveres, insultar a maquinaria da natureza e compreender os princípios em que esse mecanismo funciona, queimar os preconceitos e o orgulho de seus fatos frios e difíceis, e transformá-los em manifestações de vestimentas e testemunhas da verdade do espírito eterno.

Admitir que a vida de Cristo é uma duplicata da jornada do sol, não significa que o cristão precise ser um mero astrônomo, renunciar a seu Cristo e se tornar um apóstata. Tampouco o cristão ou o crente em qualquer outra religião tem o direito de encurralar o mercado na salvação de almas, formar uma confiança e monopólio de seu esquema religioso e tentar distribuir a salvação a um mundo faminto, obrigando-o a comprar suas mercadorias.

Quebre as barreiras! Afaste-se de todas as relações de confiança que apagariam a luz universal! Toda a terra banha-se à luz de um sol, e seus filhos participam do máximo de luz possível. Nenhuma raça ou povo pode monopolizar essa luz. Todos reconhecem que o sol é o mesmo para todos. Mas o sol é visto apenas pelos olhos físicos. Aquece o corpo físico e infunde vida em todas as coisas animadas.

Há outro, um Sol Invisível, do qual nosso Sol é apenas o símbolo. Ninguém pode olhar para o Sol Invisível e permanecer mortal. Por essa luz, a consciência do material é transmutada na consciência do espiritual. Este é o Cristo que salva da ignorância e da morte, aquele que primeiramente aceita e finalmente realiza a Luz.

As pessoas estão agora suficientemente esclarecidas na ciência da astronomia para saber que o sol desempenha seus ofícios não por meio de sacrifícios e orações que uma raça degenerada ou ignorante possa oferecer, mas em obediência à lei cósmica. De acordo com essa lei, todos os outros corpos no espaço estão trabalhando harmoniosamente. Os professores que aparecem de tempos em tempos no mundo são simplesmente os servos dessa lei que está além da compreensão de uma mente finita.

O simples fato de termos nascido em uma família de fé cristã não nos dá o direito de nos chamarmos cristãos. Também não temos um monopólio ou qualquer direito ou privilégio especial em Cristo. Temos o direito de falar de nós mesmos como cristãos somente quando o espírito de Cristo, que é o princípio de Cristo, se declara através de nós em pensamento, fala e ação. Ele se anuncia, não é anunciado. Sabemos que não é dos sentidos, mas o vemos, ouvimos e tocamos, pois penetra, permeia e sustenta todas as coisas. É tão perto quanto distante. Ele suporta e eleva e quando estamos nas profundezas, ele está lá para nos elevar. Ainda não pode ser descrito, aparece em todos os bons pensamentos e ações. É a fé dos fortes, o amor dos compassivos e o silêncio dos sábios. É o espírito de perdão, o promotor em todos os atos de altruísmo, misericórdia e justiça, e em todos os seres é o Princípio inteligente e unificador.

Como todas as coisas do universo estão trabalhando harmoniosamente e de acordo com uma lei comum, as próprias vidas que levamos estão moldando para um determinado fim. Quando perdemos de vista o princípio subjacente, todas as aparências parecem estar confusas. Mas, voltando ao princípio, entendemos os efeitos.

Nós não estamos, como desejamos, vivendo em um mundo de realidade. Estamos dormindo em um mundo de sombras. De vez em quando, nosso sono é excitado ou perturbado por algum sonho ou pesadelo causado pela mudança de sombras. Mas a alma nem sempre pode dormir. Deve haver um despertar na terra das sombras. Às vezes, um mensageiro chega e, com um toque potente, nos faz acordar e nos envolver em nosso trabalho na vida real. A alma assim despertada pode surgir e cumprir seus deveres ou, encantada pelo feitiço dos sonhos, pode retornar à terra das sombras e adormecer. Ele dorme e sonha. No entanto, seus sonhos serão perturbados pela lembrança de seu despertar, até que as próprias sombras conspirem para forçá-lo a seu próprio reino, e então, com dor e tremor, começará seu trabalho. O dever realizado com diligência é uma obra de trabalho e cega a alma às lições que os deveres ensinam. O dever cumprido voluntariamente é uma obra de amor e revela ao executor a verdade da lição que ele traz.

Todo ser humano é um mensageiro, um filho do Sol Invisível, um salvador do mundo através do qual o princípio de Cristo brilha, na medida em que ele entende e realiza a consciência sempre viva interior. De quem está consciente dessa Consciência, podemos ter o verdadeiro presente de Natal, se é isso que buscamos. A Presença de Natal é a entrada que leva à vida eterna eterna. Essa presença pode vir enquanto ainda estamos na terra das sombras. Isso despertará o dorminhoco de seus sonhos e permitirá que ele não tenha medo das sombras circundantes. Sabendo que as sombras são sombras, ele não tem medo quando elas parecem envolvê-lo e subjugá-lo.