The Word Foundation

O que é consciente sem os sentidos é eu.

-O zodíaco

A

WORD

Vol 5 JULHO, 1907. No. 4

Direitos autorais, 1907, de HW PERCIVAL.

EU NOS SENTIDOS.

Nós cheiramos e provamos e ouvimos, vemos e sentimos; vivemos nos sentidos, agimos com os sentidos, pensamos através dos sentidos e frequentemente nos identificamos com os sentidos, mas raramente ou nunca questionamos a origem de nossos sentidos, nem como o ocupante os habita. Sofremos e desfrutamos, lutamos e escravizamos para alimentar e gratificar os sentidos; pensamos, planejamos e trabalhamos para a realização de nossas ambições sem perceber que essas ambições estão todas conectadas com os sentidos e que somos seus servos. Criamos ideais baseados em percepções sensoriais. Os ideais se tornam ídolos e nós idólatras. Nossa religião é uma religião dos sentidos, dos sentidos nossos deuses. Criamos ou selecionamos nossa divindade de acordo com os ditames de nossos sentidos. Damos-lhe os atributos dos sentidos, e adoramos devotamente pelas avenidas de nossos sentidos. Somos educados e cultivados de acordo com nossa capacidade e com a iluminação da era em que vivemos; mas nossa cultura e educação têm o propósito de prestar homenagem e homenagem aos nossos sentidos de maneira artística e estética, e de acordo com métodos científicos. Nossa ciência é uma ciência dos sentidos. Tentamos mostrar que as idéias são apenas formas sensoriais e que números são figuras inventadas para a conveniência de contar e para serem usadas para obter o conforto e o prazer dos sentidos na época em que vivemos.

Deixados para os sentidos, devemos ser circunscritos e fechados pelo mundo dos nossos sentidos; devemos alimentar, agir, viver e morrer como animais no mundo dos nossos sentidos. Mas há o “eu” que é o morador dos sentidos - de quem os sentidos dependem de sua agudez de sensação - e, embora os sentidos sejam seus mestres atuais, haverá um dia em que o “eu” despertará de seu estupor. e surgirá e jogará fora as correntes dos sentidos. Ele terminará seu mandato de escravidão e reivindicará seus direitos divinos. Pela luz que ele irradia, dissipará os poderes das trevas e dissipará o encanto dos sentidos que o cegaram e o embalaram no esquecimento de sua origem divina. Ele acalmará, subjugará, disciplinará e desenvolverá os sentidos em faculdades superiores e eles se tornarão seus servos dispostos. Então o “eu” como o rei divino reinará com justiça, amor e sabedoria sobre o universo dos sentidos.

O “eu” conhecerá então o reino dentro e além dos sentidos, que é a fonte divina de todas as coisas, e participará da presença inefável que é a Realidade Única em todas as coisas - mas que, enquanto cegos por nossa sentidos, são incapazes de perceber.

Nos primórdios do universo, a única substância homogênea se diferencia e, por meio de seu único atributo, a dualidade, se manifesta como matéria espiritual. A partir e como matéria espiritual são produzidas todas as forças. Assim, surge um universo sem forma. No curso da involução, as forças produzem os elementos como seus veículos. Cada força tem seu veículo correspondente. Este veículo ou elemento é a expressão mais grosseira da força. É o lado oposto de sua força, assim como a matéria-espírito e a matéria-espírito são os pólos opostos daquilo que era substância. Todas as forças e elementos não se manifestam ao mesmo tempo no início, mas se manifestam apenas como e no grau em que produzem as condições para a manifestação. Existem sete forças, com seus veículos correspondentes, sete elementos. Estes constituem um universo em sua involução e evolução. O zodíaco mostra essa involução e evolução por seus sete signos, de câncer (♋︎) por meio de libra (♎︎) a capricórnio (♑︎). No início do primeiro período (volta) da manifestação, mas uma força se expressa e através de seu elemento particular. Este elemento posteriormente serve como um meio para a expressão da segunda força também com seu segundo elemento. Em cada período (rodada), uma força e um elemento adicionais se manifestam. Nosso universo atual passou por três períodos tão grandes e agora está em seu quarto. Nossos corpos são o resultado da involução das forças e seus elementos que se manifestam e estão se manifestando. No quarto período, é o ponto de virada da involução para a evolução.

Pela involução dos elementos, são produzidos corpos que entram em contato com os elementos e através dos quais os elementos operam. Os elementos são involuídos em corpos e tornam-se os sentidos do corpo organizado. Nossos sentidos são o desenho e a mistura dos elementos em um corpo. Cada sentido está conectado com sua parte particular do corpo, que parte é seu órgão e o centro particular através do qual o sentido age em seu elemento correspondente e através do qual o elemento reage no sentido. Assim, foram envolvidos os elementos de fogo, ar, água e terra; e o quinto agora está sendo desenvolvido como éter. O sexto e o sétimo sentidos estão sendo agora, e ainda devem ser desenvolvidos através de seus órgãos e centros correspondentes no corpo. As forças que operam através dos elementos do fogo, ar, água, terra e éter são luz, eletricidade, a força da água que ainda não tem nome científico, magnetismo e som. Os sentidos correspondentes são: visão (fogo), audição (ar), degustação (água), cheiro (terra) e toque ou sensação (éter). Os órgãos desses elementos na cabeça são os olhos, ouvidos, língua, nariz e pele ou lábios.

Esses elementos com suas forças são entidades, não são coisas caóticas. Eles são reunidos e se unem para produzir o corpo do homem com seus sentidos.

Quase toda forma animal é dotada de cinco sentidos, mas nenhum do mesmo grau que o homem. Os sentidos no animal são governados e controlados por seus elementos correspondentes, mas no homem o "eu" oferece resistência a todo o controle pelos elementos. Os sentidos no animal parecem ser mais aguçados do que os do homem. Isso ocorre porque os elementos não encontram oposição ao agir sobre o animal e, portanto, o animal é guiado mais verdadeiramente pelos elementos. Os sentidos do animal são simplesmente conscientes de seus respectivos elementos, mas o "eu" no homem questiona a ação de seus sentidos, enquanto ele tenta relacioná-los a si mesmo, e assim ocorre uma aparente confusão. Quanto menos resistência o eu oferecer aos sentidos em que se encontra, mais verdadeiramente os elementos guiarão os sentidos, mas se os elementos guiarem o homem inteiramente por meio de seus sentidos, ele será menos inteligente e menos responsável. Quanto mais próximo da natureza o homem vive, mais prontamente ele responderá e será guiado pela natureza através de seus sentidos. Embora o homem primitivo possa ver e ouvir mais longe e seu cheiro e gosto sejam mais intensos ao longo das linhas naturais, ele não pode distinguir entre cores e tons de cor, que o artista vê e aprecia de relance, nem pode distinguir a diferença de tons e harmonias. que o músico conhece, nem tem a agudeza do paladar cultivada pela epicure ou o testador experiente de chás, nem é capaz de detectar a diferença e as quantidades de odor que alguém pode disciplinar seu olfato.

O homem está desenvolvendo um sexto sentido que os animais não têm. Essa é a personalidade ou senso moral. O senso moral começa a despertar no homem primitivo e se torna um fator mais dominante à medida que o homem melhora na criação e na educação. O elemento correspondente a esse sentido não pode ser percebido pelo homem, embora esteja presente, mas a força que ele usa através do senso de personalidade e moralidade é pensada, e é através do pensamento que desperta nos sentidos do homem seu verdadeiro "eu". que é o sétimo sentido, o sentido da individualidade, do entendimento e do conhecimento.

A história passada do nosso universo, da involução dos elementos da natureza e de toda a vida animal, é encenada na formação de um corpo humano. A involução dos elementos termina no nascimento e a evolução dos sentidos começa. O desenvolvimento gradual dos sentidos nas raças passadas pode ser melhor estudado pela observação cuidadosa do ser humano, desde o nascimento até o desenvolvimento completo como homem. Mas um método ainda melhor e mais seguro de aprender como os sentidos são desenvolvidos é voltar ao tempo de nossa própria infância e observar a evolução gradual de nossos sentidos e a maneira como os usamos.

Um bebê é um objeto maravilhoso; de todas as criaturas vivas, é a mais impotente. Todos os poderes da terra são convocados para ajudar na fabricação do pequeno corpo; é realmente uma "Arca de Noé" na qual estão contidos os pares de todas as formas de vida e de tudo. As bestas, os pássaros, os peixes, os répteis e as sementes de toda a vida são mantidos naquele pequenino universo. Mas, diferentemente da outra criação animal, um bebê precisa de cuidados e proteção constantes por muitos anos, pois não pode prover nem ajudar a si mesmo. A pequena criatura nasce no mundo sem o uso de seus sentidos; mas com a faculdade de se fazer ouvir à chegada e de exigir atenção.

No nascimento, a criança não possui nenhum dos seus sentidos. Não pode ver, nem ouvir, nem provar, nem cheirar, nem sentir. Ele precisa aprender o uso de cada um desses sentidos e faz isso gradualmente. Todas as crianças não aprendem o uso de seus sentidos na mesma ordem. Com alguma audição vem primeiro; com os outros, vendo primeiro. Geralmente, no entanto, o bebê é apenas consciente como em um sonho indistinto. Cada um de seus sentidos é aberto como um choque produzido pela primeira vez pela visão ou pela audição, provocada por sua mãe ou por alguém presente. Os objetos ficam embaçados para os olhos do bebê e não conseguem ver nada de maneira distinta. A voz de sua mãe é ouvida apenas como um zumbido ou outro ruído que excita seu órgão auditivo. É incapaz de distinguir odores e não pode provar. O alimento ingerido é proveniente do estímulo das células do corpo, que são simplesmente bocas e estômagos, e não consegue sentir com exatidão nem localizar nenhuma parte do corpo. A princípio, não consegue fechar as mãos em nenhum objeto e tenta se alimentar com os punhos. O que ele não pode ver será observado por sua incapacidade de focalizar seus olhos em qualquer objeto. A mãe precisa ensiná-lo a ver e ouvir, como ensina a nutrir-se. Por repetidas palavras e gestos, ela tenta atrair sua atenção. Com paciência, a mãe olha em seus olhos trêmulos um olhar de reconhecimento, e semanas ou meses passam antes que seu coração se alegra com um sorriso inteligente. Quando é capaz de detectar o som, move seus pequenos membros rapidamente, mas não consegue localizar o som. Geralmente, com a localização do som, surge a sensação da visão quando algum objeto brilhante é movido diante de seus olhos ou sua atenção é atraída para algum objeto. O observador cuidadoso que acompanhou o desenvolvimento de qualquer bebê não pode deixar de perceber por suas ações quando um desses sentidos é usado adequadamente. Se o tom usado para falar com ele for suave e agradável, ele sorrirá; se for áspero e irritado, ele gritará de medo. O momento em que ele vê um objeto pela primeira vez pode ser reconhecido pela aparência correspondente de reconhecimento que o objeto excita. Neste momento, os olhos serão vistos como focados corretamente; em outros momentos do que quando vê que os olhos estão fora de foco. Podemos testar a criança para ver se ela ouve com um dos brinquedos favoritos, um chocalho. Se apertarmos o chocalho e a criança o ouvir, mas não o vir, ele estenderá as mãos em qualquer direção e chutará violentamente, o que pode ou não estar na direção do chocalho. Isso depende de sua capacidade de localizar o som. Se vir o chocalho, focalizará imediatamente os olhos no chocalho e o alcançará. O que vê ou não é comprovado movendo o chocalho gradualmente para os olhos e retirando-o novamente. Se não vir, os olhos apresentarão um olhar vazio. Mas se isso acontecer, eles mudarão de foco de acordo com a proximidade ou a distância do chocalho.

Gosto é o próximo sentido desenvolvido. A princípio, o bebê é incapaz de mostrar sua preferência por água, leite, açúcar ou outros alimentos que não irritam ou empolgam as células do corpo. Serão necessários todos os alimentos da mesma forma, mas com o tempo mostra preferência por um sobre os outros, chorando por ele quando o alimento em particular é retirado de repente. Assim, por exemplo, se um pedaço de doce é colocado na boca, ele chora se o doce for removido e não será consolado pelo mamilo ou pelo leite. Mas sua atenção pode ser removida de seu paladar, sacudindo um chocalho ou dançando algum objeto brilhante diante de seus olhos. O olfato é detectado pelo observador por apresentar certos odores, cuja preferência será mostrada por um sorriso, uma carranca ou o bebê arrulhar.

O sentimento é desenvolvido gradualmente e proporcionalmente aos outros sentidos. Mas a criança ainda não aprendeu o valor das distâncias. Ele alcançará a lua ou o galho de uma árvore com tanta confiança quanto alcançará o nariz de sua mãe ou a barba de seu pai. Muitas vezes, ele chora porque não consegue agarrar a lua ou algum objeto distante; mas gradualmente aprende o valor das distâncias. No entanto, não aprende tão facilmente o uso de seus órgãos, pois tenta se alimentar com os pés, chocalho ou qualquer brinquedo. Somente depois de muitos anos, ele deixará de tentar colocar tudo ao alcance de sua boca.

Os sentidos são, no início da vida, controlados pelos elementos, assim como os animais. Mas, na juventude, os sentidos não são realmente desenvolvidos; pois, embora existam prodígios que são exceções à regra comum, os sentidos não começam realmente a ser usados ​​com inteligência até a era da puberdade; então começa o uso real dos sentidos. É então que o senso moral, o senso de personalidade começa, e todos os sentidos assumem um significado diferente nesta fase de seu desenvolvimento.

Como existem forças que operam através de seus veículos, os elementos, também existem princípios que estão conectados e agem através dos sentidos e de seus órgãos. No começo, o primeiro elemento era o fogo, a primeira força que se manifestava era a luz que operava através de seu veículo e elemento, o fogo. Nos primórdios do homem, a luz como fogo no universo é a mente, a qual, embora no começo seja da forma mais primitiva, contém em si os germes de todas as coisas que devem ser desenvolvidas e também define o limite para o seu desenvolvimento. . Seu sentido é a visão e seu órgão é o olho, que também é seu símbolo.

Então vem a operação da força, a eletricidade, através de seu elemento o ar. No homem, o princípio correspondente é a vida (prana), com seu correspondente sentido de audição, e o ouvido como seu órgão. A força da “água” atua através de seu elemento água e tem como correspondência o princípio da forma (corpo astral ou linga sharira), com seu sentido, o do paladar, e seu órgão a língua.

A força do magnetismo opera através do elemento terra e tem seu princípio e sentido correspondentes no homem, sexo (corpo físico, sthula sharira) e cheiro, tendo o nariz como órgão.

A força do som atua através do éter do veículo. No homem, o princípio correspondente é o desejo (kama) e seu sentimento, com a pele e os lábios como órgãos. Esses cinco sentidos são comuns tanto ao animal quanto ao homem, mas em graus variados.

O sexto sentido é o sentido que diferencia o animal do humano. O sentido começa, seja na criança ou no homem, com o sentido do eu-eu-sou. Na criança, é mostrado quando a criança se torna o que é chamado de "autoconsciência". A criança natural, como o animal natural ou o homem natural, é bastante sem reservas em suas maneiras, sem medo e confiante em seu comportamento. Assim que se torna consciente de si mesmo, no entanto, perde a resposta natural dos sentidos aos seus elementos externos e sente-se contido pelo sentimento de eu.

Ao olhar para o passado, o adulto não se lembra das muitas dores e frascos que a presença de I causou às suas sensações. Quanto mais consciente o eu estiver em si, mais dor causará à organização sensível. Isso é particularmente expresso pelo menino ou menina que acabam de chegar à adolescência. Então o sexto sentido, o moral ou o senso de personalidade, é evidenciado porque o eu é então mais positivamente conectado ao corpo do que antes. É nesse ponto que o princípio do pensamento age através de seu sentido, o sentido moral ou a personalidade. Nesse sentido, a personalidade é apenas o reflexo do eu, a máscara do eu, o falso ego. O eu é a individualidade ou o princípio aperfeiçoado da mente, correspondente ao esforço inicial da mente para se expressar através de seu primeiro sentido, o da visão, com a força correspondente da luz e seu elemento fogo.

Os sentidos são representados no zodíaco. Se um diâmetro for traçado dos sinais de câncer (♋︎) para capricórnio (♑︎), os olhos na cabeça estarão na linha horizontal do zodíaco, que divide a esfera em uma porção superior e inferior. A parte superior do zodíaco ou da cabeça é a não manifestada, enquanto a metade inferior do zodíaco ou da cabeça é a metade manifestada e manifestada. Nesta metade inferior manifesta, existem sete aberturas, indicando sete centros, mas através das quais atualmente apenas cinco sentidos operam.

Os princípios enumerados pela sra. Blavatsky nos ensinamentos teosóficos são: o corpo físico (sthula sharira), o corpo astral (linga sharira), o princípio da vida (prana), o princípio do desejo (kama), a mente (manas). O princípio da mente (manas) é da sra. Blavatsky disse ser o princípio individualizador, que é o único daqueles mencionados por ela que é eterno, e o único princípio eterno que se manifesta no homem. Os princípios superiores ainda não estão manifestos e, portanto, estão representados na metade superior do zodíaco; mas, na medida em que o princípio da mente é o que se manifesta no universo e no homem, os signos do zodíaco mostram a maneira pela qual esse princípio é desenvolvido através do contato com os princípios transitórios inferiores, na ordem natural da involução à evolução. Assim, por exemplo, o primeiro fôlego da mente, o câncer (♋︎), frutifica o germe da vida, leo (♌︎), que gradualmente se desenvolve em forma, virgo (♍︎), cuja forma é determinada por seu sexo e nascimento, libra (♎︎) Seu sexo é expresso com o desenvolvimento do princípio do desejo, escorpião (♏︎). Aqui termina o homem físico unicamente animal. Mas existem os sentidos internos, como clarividência e clariaudiência, que correspondem a ver e ouvir. Estes, com as faculdades da mente, têm seus órgãos e centros de ação na metade superior da cabeça. A mente e suas faculdades devem ser disciplinadas e desenvolvidas antes que os princípios superiores (atma e buddhi) possam se tornar ativos.

O humano inicia o sexto senso de personalidade e moralidade que guia ou é guiado pelo pensamento, sagital (♐︎). À medida que o pensamento se torna estritamente moral, e os sentidos são usados ​​em suas funções apropriadas e postos em uso correto, o pensamento como personalidade e um reflexo do Eu se alinha com o seu Eu real, a individualidade ou a mente, que é a conclusão de tudo. os sentidos, colocando em ação o poder superior da mente. O órgão através do qual a personalidade é refletida e sobre a qual o senso moral nasce está nessa classificação representada pelo corpo da hipófise. O órgão que representa a individualidade, o capricórnio (♑︎), é a glândula pineal. Como órgão, o corpo da hipófise é colocado atrás e a meio caminho entre os olhos. A glândula pineal está um pouco atrás e acima deles. Os olhos simbolizam esses dois órgãos que estão por trás deles.

Esses nossos sentidos, enquanto atuam através dos centros ou órgãos da cabeça, não são meros acidentes, ou acaso - evolução pelo ambiente. São as estações receptora e operacional a partir da qual o pensador, o homem, pode receber instruções e controlar ou dirigir as forças e os elementos da natureza. Também não se deve supor que os signos do zodíaco sejam os nomes arbitrários de certas constelações nos céus. As constelações nos céus são símbolos, assim como nossos próprios planetas. Os signos do zodíaco representam tantas grandes classes ou ordens. Na cabeça de cada classe ou ordem, há uma inteligência muito sagrada para fazer mais do que uma menção para nós. De cada uma dessas grandes inteligências, procedem gradualmente, em procissão ordenada, todas as forças e elementos que compõem o corpo do homem, e cada um deles tem sua correspondência no corpo do homem, como declarado.

Os sentidos são distintos do eu real e não podem ser identificados com ele. Quando o eu entra em contato com o corpo, os sentidos o iludem, o intoxicam, o enfeitiçam e lançam um glamour de encantamento em torno dele, que ele não consegue superar. O eu não deve ser percebido pelos sentidos; é intangível e impalpável. Como ele vem ao mundo e está associado aos sentidos, ele se identifica com alguns ou todos os sentidos, porque é no mundo físico de formas nas quais não há nada para lembrá-lo de si mesmo, e não é depois de muito tempo. sofrimento e muitas jornadas que começa a se identificar como distinto dos sentidos. Mas em seu próprio esforço para se distinguir, a princípio se torna ainda mais apaixonado e iludido.

No estado infantil ou no homem primitivo, tinha o uso natural de seus sentidos, mas com isso não podia discernir a si mesmo. Através do cultivo e da educação, os sentidos foram levados a um maior grau de desenvolvimento. Isto é representado pelos vários ramos da arte. Como, por exemplo, o escultor concebe mais claramente forma e proporção e molda a argila plástica ou esculpe o mármore sólido em formas que se aproximam da beleza que sua mente concebe. O artista com o sentido da cor treina seu olho para ver e seu princípio de pensamento para conceber a beleza não apenas na forma, mas na cor. Ele detecta diferenças nas tonalidades e tons de cores que o homem comum nem sequer concebe, e o homem ou criança primitivo vê apenas como um toque de cor contrastando com outro toque. Até o homem da educação comum, olhando um rosto, vê apenas o contorno e obtém a impressão geral da cor e dos traços. De uma inspeção mais detalhada, ele vê o que não pode nomear como um tom de cor específico; mas o artista não apenas imediatamente tem uma impressão geral da cor, como também pode, sob inspeção, detectar muitos tons de cor na pele que nem se suspeita estarem presentes pelo homem comum. As belezas de uma paisagem ou figura executada por um grande artista não são apreciadas pelo homem comum, e apenas vistas como manchas pelo homem ou pela criança primitiva. Um animal não tem consideração pela cor, ou apenas está excitado por ela. A criança ou homem primitivo deve ser treinado com cuidado para compreender a idéia de tons de cor e a perspectiva de uma pintura. A princípio, uma pintura parece ser apenas uma superfície plana que é clara ou escura em certas partes, mas gradualmente a mente aprecia o primeiro plano e o fundo com os objetos e a atmosfera que intervêm, e à medida que aprende a apreciar as cores, o mundo lhe parece diferente. . A criança ou homem primitivo só reconhece um som através do sentimento ou emoção que produz. Depois, distingue entre um ruído discordante e uma melodia simples. Mais tarde, ele pode ser treinado para apreciar sons mais complexos, mas apenas o verdadeiro músico é capaz de distinguir e apreciar a discórdia da harmonia em uma grande sinfonia.

Mas o glamour que resulta do cultivo dos sentidos o liga ainda mais intimamente aos sentidos e o torna mais escravo do que antes. De seu servo obediente na ignorância, ele se torna seu escravo leal com a cultura, embora pela educação e pela cultura ele se aproxime do tempo do despertar.

Cada um dos cinco sentidos é alto ou baixo, de acordo com o uso que a personalidade faz dele. A civilização e a educação tendem a ligar o eu aos sentidos, desde que as faculdades do eu e do raciocínio sejam aplicadas a fins materiais e o eu esteja apegado ao mundo e ao que erroneamente concebe serem seus bens. Perdas, pobreza, dor, doença, tristeza, problemas de todos os tipos, jogam o eu sobre si mesmo e afastam-se de seus opostos que atraem e iludem o eu. Quando o eu é forte o suficiente, começa a discutir consigo mesmo. Então é possível aprender o significado e o uso real dos sentidos. Aprende então que não é deste mundo, que é um mensageiro com uma missão neste mundo. Antes que possa transmitir sua mensagem e cumprir sua missão, é necessário familiarizar-se com os sentidos como realmente são e usá-los como deveriam ser utilizados, em vez de serem iludidos e controlados por eles.

O eu aprende que os sentidos são realmente os intérpretes do universo para ele, o eu e, como tal, deve receber audiência, mas que o eu deve aprender sua linguagem de interpretação e usá-los como tal. Em vez de ser enganado por sua influência, o I aprende que apenas pelo controle dos sentidos é capaz de interpretar o universo através deles, e que pelo controle deles, o eu está cumprindo um dever, dando forma aos não formados e ajudando na matéria em seus processos involucionários e evolutivos. O eu aprende ainda mais que, por trás e acima dos elementos com os quais ele fala através de seus sentidos, existem inteligências e presenças com as quais ele pode se comunicar através de faculdades novas e não utilizadas que surgem e são adquiridas pelo uso e controle adequados de seu corpo físico. sentidos. À medida que as faculdades superiores (como percepção e discriminação) são desenvolvidas, elas substituem os sentidos físicos.

Mas como o eu deve se tornar consciente de si e se familiarizar? O processo pelo qual isso pode ser feito é simplesmente declarado, embora para muitos possa ser difícil de realizar. O processo é um processo mental e é o processo de eliminação. Isso pode não ser feito de uma só vez, embora seja bem possível se os esforços continuarem.

Que aquele que conseguiria eliminar os sentidos se sente quieto e feche os olhos. Imediatamente surgirá em sua mente os pensamentos de todo tipo de coisas relativas aos sentidos. Que ele simplesmente comece a eliminar um dos sentidos, diga o do olfato. Então deixe que ele corte o sentido do paladar, para que ele não tenha consciência de nada que possa sentir o cheiro ou o sabor. Que ele continue eliminando o sentido da visão, ou seja, ele não estará consciente no pensamento por qualquer meio de qualquer coisa na forma ou na cor. Que ele elimine ainda mais o sentido da audição, para que ele fique consciente de nenhum ruído ou som, nem mesmo o zumbido no ouvido, ou a circulação do sangue através de seu corpo. Que ele prossiga eliminando todo sentimento de sentimento para que ele não tenha consciência de seu corpo. Será concebido agora que não há luz ou cor e que nada no universo pode ser visto, que o paladar está perdido, o olfato está perdido, que nada no universo pode ser ouvido e que existe nenhuma sensação de sentir o que quer.

Diz-se que aquele de quem os sentidos da visão, audição, degustação, olfato e sentimento são cortados não existe, que ele está morto. Isso é verdade. Naquele momento ele está morto, e ele não existe, mas no lugar da existência ele tem Ser e, em vez de ter vida sensual, ele É.

Aquilo que permanece consciente após a eliminação dos sentidos é eu. Nesse breve momento, o homem é iluminado na Consciência. Ele tem conhecimento do eu como eu, distinto dos sentidos. Isto não vai durar muito. Ele novamente se tornará consciente dos sentidos, nos sentidos, através dos sentidos, mas os conhecerá pelo que são e levará consigo a memória de seu verdadeiro ser. Ele pode então trabalhar com e através dos sentidos para o momento em que ele não será mais seu escravo, mas será sempre ele mesmo, sempre serei eu na relação adequada com os sentidos.

Quem tem medo da morte e do processo de morrer não deve se envolver nessa prática. Ele deveria aprender um pouco a natureza da morte e de seus processos mentais antes de, assim, procurar o eu.