The Word Foundation

No oceano costeiro do espaço irradia o sol central, espiritual e invisível. O universo é seu corpo, espírito e alma; e depois desse modelo ideal são enquadradas TODAS AS COISAS. Essas três emanações são as três vidas, os três graus do Pleroma gnóstico, as três "faces cabalísticas", para os ANTIGOS dos antigos, os santos dos idosos, o grande En-Soph, tem uma forma "e então ele tem sem forma. ”

- Ísis revelada.

A

WORD

Vol 1 NOVEMBRO, 1904. No. 2

Direitos autorais, 1904, de HW PERCIVAL.

FRATERNIDADE.

Existe uma necessidade crescente de uma revista cujas páginas se abrirão para a apresentação livre e imparcial de filosofia, ciência e religião, com base na ética. A PALAVRA destina-se a suprir essa necessidade. A ética é fundada na irmandade.

É nossa intenção dar espaço a artigos escritos para promover qualquer movimento, desde que o objetivo principal seja trabalhar pela irmandade da humanidade.

A humanidade é uma grande família, ainda que amplamente separada pelo preconceito de raça e credo. Temos uma crença sincera na idéia, que é apenas parcialmente expressa pela palavra “fraternidade”. O significado dessa palavra é limitado a cada pessoa, por suas tendências, inclinações, educação e desenvolvimento. Existe uma diversidade de opiniões tão grande quanto ao significado da palavra fraternidade quanto ao significado da palavra Verdade. Para uma criança pequena, a palavra “irmão” carrega consigo o pensamento de assistência e proteção de quem pode defendê-la contra seus adversários. Significa para o irmão mais velho que ele tem alguém para proteger. Para um membro de uma igreja, de uma sociedade ou clube secreto, isso sugere associação. Um socialista o conecta a compartilhar ou cooperar, em um sentido econômico.

Encarnada, sendo cegada e drogada pelas impressões sensoriais em um mundo tumultuado e tumultuado, a alma não percebe sua verdadeira posição em relação às outras almas.

Fraternidade é a relação indissolúvel existente entre alma e alma. Todas as fases da vida tendem a ensinar à alma essa verdade. Após um longo estudo e aspiração contínua, chega um momento em que a fraternidade é compreendida. Então a alma sabe que é a verdade. Isso vem como um flash de luz. Flashes de iluminação chegam a todos em determinados momentos da vida, como a primeira conexão da alma com seu corpo, o despertar para a consciência no mundo quando criança e no momento da morte. O flash vem, passa e é esquecido.

Existem duas fases de iluminação que são distintas das anteriores, um flash de iluminação durante a maternidade e a iluminação de um Irmão da Humanidade. Sabemos que os longos meses de dor, ansiedade e tristeza, que precedem o nascimento da criança, aceleram os sentimentos da “mãe”. No momento do primeiro choro da criança recém-nascida, e no momento em que ela sente sua vida se esforçando, há um mistério revelado ao coração da "mãe". Ela vê através dos portões da Vida de um mundo maior, e por um momento brilha em sua consciência uma emoção, um raio de luz, um mundo de conhecimento, revelando a ela o fato de que existe uma unidade com outro ser que, embora seu próprio eu ainda não seja ela mesma. Nesse momento, surge um sentimento de êxtase, um sentimento de unidade e o elo indissolúvel entre um ser e outro. É a expressão mais perfeita de altruísmo, de irmandade, de amor, que temos em nossa experiência humana. O flash passa e é esquecido. O amor, em geral, logo diminui para o da maternidade cotidiana e afunda no nível do egoísmo materno.

Existe uma analogia entre o conhecimento do relacionamento do filho com sua mãe e o relacionamento do homem nascido duas vezes com o Atman ou o Ser Universal. A mãe sente o parentesco e o amor pelo filho, porque, durante aquele momento misterioso, uma das cortinas da vida é afastada e há um encontro, um entendimento mútuo, entre a alma da mãe e a alma da criança, de aquele que deve guardar e proteger, e outro que deve ser protegido.

O neófito, através de muitas vidas de aspiração e anseio por luz espiritual, finalmente chega ao momento em que a luz entra. Ele chega a esse objetivo depois de muitos dias na terra, depois de muitas vidas em todas as fases, condições, circunstâncias, com muitos povos. , em muitos países, durante muitos ciclos. Quando ele passou por tudo, ele entende os traços e simpatias, as alegrias e medos, as ambições e aspirações de seus semelhantes - que são seus outros eus. Nasce em seu mundo uma nova consciência: a consciência da irmandade. A voz da humanidade desperta seu coração. O som é o mesmo que o choro do recém-nascido no ouvido da mãe. Mais: existe uma dupla relação vivida. Ele sente seu relacionamento com a grande Alma dos Pais, assim como um filho com seus pais. Ele também sente um desejo de proteger e proteger, assim como a mãe protegeria seu filho. Nenhuma palavra descreverá essa consciência. O mundo se torna iluminado. Uma consciência da Alma Universal desperta nela. Ele é um irmão. Ele nasceu duas vezes, um nascido duas vezes.

À medida que o choro do bebê desperta na mãe uma nova vida, também para o homem vivificado é aberta uma nova vida. No barulho do mercado, na quietude do deserto sem lua, ou quando sozinho em profunda meditação, ele ouve o grito da grande humanidade órfã.

Este chamado lhe abre uma nova vida, novos deveres, novas responsabilidades. Como o filho de sua mãe, assim é a humanidade para ele. Ele ouve o grito e sente a vida sair. Nada o satisfará, exceto uma vida entregue ao bem da humanidade. Ele deseja provê-lo como pai, nutri-lo como mãe, defendê-lo como irmão.

O homem ainda não chegou à plena consciência da irmandade, mas ele pode pelo menos teorizar sobre isso e começar a colocar suas teorias em prática.