The Word Foundation

Antes que a Alma possa ver, a harmonia interior deve ser alcançada, e os olhos carnais devem ficar cegos para toda ilusão.

Esta terra, discípulo, é o salão da tristeza, onde são colocadas ao longo do caminho de terríveis provações, armadilhas para prender o teu ego pela ilusão chamada “grande heresia (separação”).

Voz do silêncio.

A

WORD

Vol 1 FEVEREIRO, 1905. No. 5

Direitos autorais, 1905, de HW PERCIVAL.

GLAMOUR.

A alma é uma eterna peregrina, do passado eterno e além, para o futuro imortal. Em sua consciência mais elevada, a alma é permanente, imutável, eterna.

Desejando deter a alma em seus domínios, a natureza providenciou para seu convidado imortal muitas vestimentas variadas que ela habilmente uniu em um corpo. É através desse corpo que a natureza é habilitada a lançar seu glamour sobre a alma e entorpecer o entendimento. Os sentidos são as varinhas mágicas que a natureza exerce.

Glamour é o feitiço mágico que a natureza lança sobre a alma. O glamour faz com que fantasmas sedutores de muitas cores atraiam, tons desconcertantes de melodia para encantar, o hálito perfumado de perfumes para seduzir, causa prazeres doces que satisfazem os apetites e estimulam o paladar, e o toque suave que produz o formigamento no sangue pelo corpo e diverte a mente.

Quão naturalmente a alma é seduzida. Quão prontamente enredado. Quão inocentemente é encantado. Com que facilidade uma rede de irrealidades é gerada sobre isso. A natureza sabe bem como manter seu convidado. Quando um brinquedo deixa de se divertir, outro é astuciosamente proposto pelo qual a alma é cada vez mais profunda nas malhas da vida. Ele continua a ser divertido, ocupado e entretido em uma rodada contínua de mudança e esquece a dignidade e o poder de sua presença e a simplicidade de seu ser.

Enquanto aprisionada no corpo, a alma desperta gradualmente para a consciência de si mesma. Percebendo que estava sob o feitiço da feiticeira, apreciando o poder de suas varinhas e compreendendo seu design e métodos, a alma é capacitada a se preparar e frustrar seus dispositivos. Tempera a si próprio e torna-se imune à magia das varinhas.

O talismã da alma que quebrará o feitiço da feiticeira é a constatação de que, onde ou sob qualquer condição, é permanente, imutável, imortal; portanto, não pode ser amarrado, ferido ou destruído.

O glamour da varinha de toque é sentimento. É o primeiro e o último que deve ser superado. Traz a alma sob o domínio de todas as sensações. As aberturas pelas quais a natureza trabalha são a pele e todos os órgãos do corpo. Esse sentido tem suas raízes profundamente enraizadas no mistério do sexo. Na maravilhosa estátua de Laocoon, Phidias retratou a alma lutando nas serpentinas da serpente que foram lançadas pelo feitiço da varinha. Ao olhar firmemente para o talismã, a serpente começa a se desenrolar.

Outra das maneiras pelas quais a feiticeira escraviza é a língua, o palato e os apetites do corpo, que são atraídos pelo feitiço da varinha de gosto. Ao olhar para o talismã, a alma torna o corpo imune à intoxicação do paladar e permite apenas o que manterá o corpo em saúde e será suficiente para suas necessidades. A varinha do gosto então perde seu glamour e o corpo recebe o alimento que o gosto interno apenas fornece.

Pelo uso da magia dos odores, a natureza afeta a alma através do órgão do olfato, e confunde tanto o cérebro que permite que os outros sentidos roubem a mente. Mas, olhando para o talismã, a influência do feitiço é interrompida e, em vez de o homem ser afetado pela fragrância da natureza, o fôlego da vida é atraído.

Através do ouvido, a alma é afetada pelo sentido do som. Quando a natureza empunha essa varinha, a alma fica encantada e arrebatada até que o talismã seja visto. Então a música do mundo perde seu charme. Quando a alma ouve a harmonia de seu próprio movimento, todos os outros sons se tornam ruído e essa varinha mágica da natureza é quebrada para sempre.

Sobre os olhos, a natureza lança um glamour pelo toque de sua varinha de visão. Mas, olhando fixamente para o talismã, o glamour desaparece e as cores e formas se tornam o pano de fundo em que o próprio reflexo da alma é percebido. Quando a alma percebe seu reflexo no rosto e nas profundezas da natureza, contempla a verdadeira beleza e é revigorada com novas forças.

A retirada das varinhas da natureza traz para a alma duas outras varinhas: o conhecimento da relação de todas as coisas e o conhecimento de que todas as coisas são uma. Com essas varinhas, a alma completa sua jornada. Não é pessimismo olhar para as ilusões da vida se elas forem feitas com o objetivo de entender seus enganos e o glamour do mundo. Se tudo isso pudesse ser visto, os vapores e as trevas seriam realmente impenetráveis.

É necessário que quem procura o real fique primeiro insatisfeito com tudo o que não é real, pois quando a alma perceber o real na vida, ela deve ser capaz de distinguir o irreal.

Quando a mente é apegada e controlada pela ação dos sentidos, o glamour é produzido e as faculdades da alma são abortadas. Assim, existem os vícios: a ninhada de raiva, ódio, inveja, vaidade, orgulho, ganância e luxúria: as serpentes nas serpentinas das quais a alma se contorce.

A vida humana comum é uma série de choques desde a infância até a velhice. A cada choque, o véu do glamour é perfurado e aberto. Por um momento a verdade é vista. Mas não pode ser suportado. A névoa se fecha novamente. E estranho, esses choques são ao mesmo tempo suportáveis ​​pelas próprias dores e prazeres que os produzem. O mortal continua a flutuar na corrente do tempo, transportado de um lado para o outro, rodopiando em um redemoinho de pensamento, arremessado contra as rochas da desgraça ou submerso em tristeza e desespero, para ressuscitar e ser carregado pelo abismo da morte para o inferno. oceano desconhecido, o Além, para onde vão todas as coisas que nascem. Assim, repetidamente, a alma é rodopiada pela vida.

O corpo em tempos antigos foi aceito como o revelador dos mistérios deste mundo encantado. O objetivo da vida era compreender e realizar cada revelação, por sua vez: dissipar o encanto da feiticeira pela consciência da alma: realizar o trabalho do momento, para que a alma pudesse continuar sua jornada. Com esse conhecimento, a alma tem a consciência da tranquilidade e da paz em meio a um mundo de glamour.