The Word Foundation

A

WORD

Vol 2 DEZEMBRO, 1905. No. 3

Direitos autorais, 1905, de HW PERCIVAL.

PENSAMENTO.

COM o pensamento começa o terceiro quaternário.

O primeiro quaternário: consciência (aries), movimento (touro), substância (gêmeos), respiração (câncer), encontra-se no mundo noumenal. O segundo quaternário: vida (leo), forma (virgem), sexo (libra) e desejo (escorpião) são os processos pelo qual o princípios do mundo noumenal são expressos no mundo fenomenal manifestado. O mundo fenomenal manifestado é chamado à existência pela respiração e termina com a individualidade. O terceiro quaternário, começando com o pensamento, consiste em pensamento (sagitário), individualidade (capricórnio), alma (aquário) e vontade (peixes).

Como a vida é o começo do processo na construção de um corpo para os sentidos externos, o pensamento é o começo do processo na construção do corpo dos sentidos internos.

O pensamento é uma fusão de mente e desejo. A mente, através da respiração, sopra sobre o corpo não formado do desejo no homem, e o desejo surge como uma massa informe, combina-se com a respiração, recebe forma e se torna pensamento.

Os pensamentos entram no corpo apenas através de certos centros. O caráter do pensamento pode ser conhecido pela função do centro através do qual ele entra. O número e as combinações de pensamentos são mais numerosos e variados do que os milhões de seres de onde eles vêm, mas todos os pensamentos podem ser classificados sob quatro cabeças. São sexo, elementar, emocional e intelectual.

Pensamentos da natureza sexual estimulam e penetram nesse centro e, agindo no plexo solar e despertando os órgãos da região abdominal, surgem como um hálito quente no coração. Se eles obtêm entrada lá, eles sobem como formas indistintas para a garganta e daí passam para a cabeça onde lhes são dadas formas - tão claros e distintos quanto o desenvolvimento individual permitir. Quando alguém sente um estímulo na região do sexo, pode saber que alguma influência estranha está agindo sobre ele. Se ele expulsar ou desviar o pensamento, ele deve se recusar a sancioná-lo quando pedir

Acima está a luz, abaixo está a vida. Novamente, a ordem muda e, agora, através do pensamento aspirante, esses mundos manifestos de vida e forma, sexo e desejo, e o próprio pensamento, são transformados pela alquimia em luz. O ZODÍACO. entrada no coração, e sentindo no coração um amor pelo ser que é dentro o corpo, ou voltando o pensamento para a consciência mais elevada que ele é capaz de alcançar e invocando sua presença. O sentimento passará então a ser de aspiração e exaltação, e depois paz. É muito mais fácil transmutar um pensamento do que afastá-lo. Nenhum pensamento pode ser morto de uma vez, como às vezes se acredita erroneamente. Pode ser afastada, mas retornará de acordo com a lei cíclica. Mas se for recusado o sustento toda vez que retornar, gradualmente perderá poder e finalmente desaparecerá.

Pensamentos de natureza elementar entram no corpo através do umbigo e dos poros da pele. Pensamentos elementares são os de raiva, ódio, malícia, inveja, luxúria, fome e sede, e aqueles que excitam os cinco órgãos dos sentidos, como a gula ou a presença de uma conflagração. Eles agem no plexo solar e estimulam a árvore dos nervos, com sua raiz no centro sexual e seus ramos no plexo solar, ou brincam nessa árvore de nervos, cuja raiz está no cérebro, com ramos no plexo solar.

Esses pensamentos elementares são acionados e exercidos pelos órgãos abdominais e chegam ao coração de onde, se recebem sanção, sobem à cabeça, assumem uma forma definida e são enviados de uma das aberturas, como o olho ou a boca, caso contrário, eles descem, perturbam o corpo e, afetando todos os seus átomos, fazem com que ele responda à ação deles. Qualquer força elementar ou pensamento maligno que assim encontre entrada no umbigo pode ser mudada empregando a mente imediatamente com algum pensamento definido de natureza diferente, ou mudando o pensamento para um de amor altruísta, como sugerido anteriormente; caso contrário, o pensamento será acentuado em vigor, dado forma de acordo com a capacidade de pensar do indivíduo, e enviado ao mundo para agir sobre os outros que o permitirem.

Pensamentos de natureza emocional humana entram no coração por meio das aberturas e centros dos seios. O que são os pensamentos emocionais (às vezes chamados de sentimentos), podem ser melhor entendidos considerando a aversão que algumas pessoas têm ao ver derramar sangue ou ver a pobreza ou o sofrimento de outras pessoas quando são colocadas diretamente em contato com essa miséria, mas esqueça logo que as visões e os sons desaparecem, a mania religiosa, o psiquismo dos avivamentos, o entusiasmo da luta, a simpatia irracional e o impulso de uma multidão em movimento. De acordo com o caráter das emoções, elas descem do coração para as regiões inferiores, ou se elevam e tomam forma na cabeça e são elevadas a uma alta intelecção e poder. Todos os tipos de pensamentos e impressões buscam admissão na cabeça, porque a cabeça é a região intelectual onde as impressões recebem forma e os pensamentos ativos são remodelados, elaborados e embelezados. A cabeça possui sete aberturas: narinas, boca, ouvidos e olhos, que, juntamente com a pele, admitem, respectivamente, os cinco elementos conhecidos pelos antigos como terra, água, ar, fogo e éter, correspondentes aos quais são nossos sentidos de cheirar, provar, ouvir, ver e tocar. Os elementos e os objetos dos sentidos agem sobre ou através desses canais sensoriais que começam a operar uma ou mais das cinco funções da mente. As cinco funções da mente operam através dos cinco sentidos e dos cinco órgãos dos sentidos e são os processos do lado material da mente.

As quatro classes de pensamentos têm origem em duas fontes: pensamentos que vêm de fora e pensamentos que vêm de dentro. Foi demonstrado como as três primeiras classes nomeadas vêm de fora, estimulam seus respectivos centros e sobem à cabeça. Todos esses pensamentos servem como material e alimento que entra no estômago mental, assim como o alimento físico é levado para o estômago. Em seguida, o alimento mental passa ao longo do trato digestivo semelhante ao do canal alimentar, onde é exercido pelos órgãos da cabeça com funções análogas àquelas nas regiões abdominal e pélvica. O cerebelo é o estômago mental e as convulsões do cérebro, o canal ao longo do qual passa o material para o pensamento, no processo de digestão e assimilação, antes de ser enviado da testa, olho, ouvido, nariz ou boca, totalmente formado no mundo, em sua missão de bem ou mal. Portanto, as impressões ou pensamentos recebidos pelos três centros inferiores são de uma fonte externa e podem servir como alimento para o intelecto se transformar em forma.

O pensamento que vem de dentro tem sua origem no coração ou na cabeça. Se no coração, é uma luz suave e constante que irradia um amor sem emoção por todas as coisas, mas que pode se tornar um amor emocional e desmaiar em resposta ao clamor da humanidade, através dos seios, se não for levantada como uma chama de aspiração na cabeça. Quando levantado, pode ser analisado, sintetizado e equilibrado pelo movimento universal no pensamento que esclarece os cinco processos intelectuais mencionados. A função quíntupla da mente através dos sentidos será então apreciada e compreendida. A forma de pensamento que se origina dentro da cabeça dificilmente pode ser chamada de pensamento, pois é totalmente formada sem nenhum processo mental. Simultaneamente à sua aparência na cabeça, há uma ação na região na base da coluna vertebral que faz com que a cabeça seja preenchida com luz. Nesta luz é compreendido o mundo interior do pensamento. A fonte do pensamento que vem de dentro é o ego ou o Eu Superior. Tal pensamento pode ser chamado à vontade somente por alguém que alcançou a iluminação e alcançou a sabedoria. Para todos os outros, chega inesperadamente, em profunda meditação ou por fervorosa aspiração.

Pensamento não é mente; não é desejo. O pensamento é a ação combinada do desejo e da mente. Nesse sentido, pode ser chamado de mente inferior. O pensamento é causado pela ação do desejo na mente, ou da mente no desejo. O pensamento tem duas direções; aquilo que está associado ao desejo e aos sentidos, são os apetites, paixões e ambições, e aquilo que está associado à mente em suas aspirações.

Na abóbada azul abobadada de um céu sem nuvens, sopra um vento e uma massa peluda e nebulosa, como uma névoa, aparece. A partir disso, aparecem formas que aumentam de tamanho e se tornam mais pesadas e mais escuras até que todo o céu esteja nublado e a luz do sol se apague. Uma tempestade se enfurece, nuvens e outras formas se perdem na escuridão, quebradas apenas por um relâmpago. Se a escuridão predominante continuasse, a morte se espalharia pela terra. Mas a luz é mais permanente que a escuridão, as nuvens são precipitadas pela chuva, a luz dissipa mais uma vez a escuridão e os resultados da tempestade devem ser vistos. Os pensamentos são gerados de maneira semelhante quando o desejo toma forma em contato com a mente.

Cada célula do corpo contém o material e os germes do pensamento. Impressões e pensamentos externos são recebidos através dos centros sexuais, elementares e emocionais; odores, gostos, sons, cores e sentimentos (do toque) passam para o corpo pela passagem dos sentidos através dos cinco centros intelectuais; a mente respira ritmicamente e simultaneamente com um movimento duplo em duas direções opostas, através de todo o corpo, e assim desperta e libera os germes da vida; o desejo direciona a vida que sobe com um movimento semelhante ao vórtice para o coração, recebendo impulso ao longo de seu caminho à medida que sobe. Se é um pensamento de alguma paixão feroz, luxúria ou raiva, que ganha acesso e sanção ao coração, uma massa úmida, escura e escura subirá à cabeça, pode estupificar a mente e apagar a luz do coração. razão do coração. Então a tempestade da paixão se enfurecerá, pensamentos sombrios como relâmpagos surgirão, e enquanto a tempestade da paixão durar, a paixão cega deve prevalecer; se continuar a loucura ou a morte é o resultado. Mas, como na natureza, a fúria dessa tempestade logo se esgota e seus resultados podem ser vistos à luz da razão. O desejo que ganha entrada no coração - se for de paixão cega, pode ser subjugado - surge em uma chama em forma de funil de cor variada na garganta, daí para o cerebelo e o cérebro, onde recebe todos os elementos dos sentidos em seu corpo. processos de digestão, assimilação, transformação, desenvolvimento e nascimento. O centro olfativo dá odor e solidez, o centro gustativo faz com que seja ressecado e amargo ou úmido e doce, o centro auditivo tonifica-o em uma nota dura ou melodiosa, o centro visual dá-lhe figura e enriquece-a com luz e cor, o centro perceptivo lhe confere sentimentos e propósitos, e nasce no mundo de um dos centros da cabeça uma entidade totalmente formada, uma maldição ou uma bênção para a humanidade. É um filho da mente e do desejo. Seu ciclo de vida depende de seu criador. Dele ele tira seu sustento. Pensamentos que não recebem a nutrição adequada durante o processo de gestação, ou que nascem prematuramente, são como esqueletos cinzentos ou coisas sem forma e sem vida, que vagam sem rumo até atraídos para a atmosfera de uma pessoa de desejo incerto, para passar e fora de sua mente como um fantasma através de uma casa vazia. Mas todos os pensamentos criados por uma mente são os filhos dessa mente, que é responsável por eles. Eles se reúnem em grupos de acordo com seu caráter e determinam os destinos das vidas futuras de seu criador. Como uma criança, um pensamento retorna para sustentar seus pais. Ao entrar em sua atmosfera, anuncia sua presença por um sentimento correspondente ao seu caráter e exige atenção. Se a mente se recusar a entreter ou ouvir suas reivindicações, é obrigada pela lei dos ciclos a se retirar até que o ciclo permita seu retorno. Enquanto isso, perde força e é menos distinto na forma. Mas se a mente entretém seu filho, ele permanece até que seja revigorada e revigorada e, então, como uma criança cujo desejo foi gratificado, ela se afasta para se juntar a seus companheiros nos jogos e dar espaço ao próximo candidato. Assim, o homem é vítima de seus pensamentos, que o persegue ao longo da vida, que cria seu céu ou inferno após a morte, que se cristaliza na forma de design astral que incorpora as tendências hereditárias de seu passado, nas quais ele reencarna e das quais velhas sementes do pensamento criam raízes e nascem para a vida e se formam em sua estação e ciclo.

Pensamentos chegam a um em grupos, em nuvens. As influências dominantes das constelações zodiacais, em conexão com os sete princípios, determinam o advento de seus pensamentos e a medida do ciclo de seu retorno. Como ele nutriu pensamentos de um certo tipo, ao retornarem a ele vida após vida, ele os fortaleceu suficientemente e, por sua vez, eles enfraqueceram o poder da resistência de sua mente e dos átomos de seu corpo, até o aparecimento desses pensamentos, humores, emoções e impulsos, tem o poder e o terror irresistível do destino. Os pensamentos se acumulam, solidificam, cristalizam e se tornam formas, atos e eventos físicos, na vida de um indivíduo e de uma nação. Assim, surgem as súbitas tendências incontroláveis ​​de cometer suicídio, assassinato, roubo, luxúria, bem como atos repentinos de bondade e de auto-sacrifício. Assim, vêm os incontroláveis ​​modos de tristeza, rancor, malícia, desânimo, dúvida e medo incertos. Assim surge o nascimento neste mundo com um caráter de bondade, generosidade, humor ou serenidade e seus opostos.

O homem pensa e a natureza responde organizando seus pensamentos em uma procissão contínua, enquanto ele olha com um olhar pensativo, sem se importar com a causa. O homem pensa com paixão, inveja e raiva, e se irrita com a natureza e com o próximo. O homem pensa e frutifica a natureza com seu pensamento, e a natureza produz sua descendência em todas as formas orgânicas, como filhos de seus pensamentos. Árvores, flores, bestas, répteis, pássaros são, em suas formas, a cristalização de seus pensamentos, enquanto em cada uma de suas diferentes naturezas há uma representação e especialização de um de seus desejos particulares. A natureza se reproduz de acordo com um determinado tipo, mas o pensamento do homem determina o tipo, e o tipo muda apenas com o seu pensamento. Tigres, cordeiros, pavões, papagaios e pombas continuarão aparecendo enquanto o homem os especializar pelo caráter de seu pensamento. As entidades que experimentam a vida em corpos animais devem ter seu caráter e forma determinados pelo pensamento do homem até que eles próprios possam pensar. Então eles não precisarão mais de sua ajuda, mas construirão suas próprias formas, assim como o pensamento do homem agora constrói a sua e a deles.

Como um lemniscado, o homem se destaca nos mundos noumenal e fenomenal. Por meio dele, a substância se diferencia como matéria espiritual e se desdobra neste mundo físico em suas sete condições, de espírito para matéria. Através do homem, que está no centro, essas sete condições são harmonizadas e se tornam substanciais. Ele é o tradutor que dá forma ao invisível quando ele o condensa e solidifica - através do pensamento. Ele muda a matéria sólida para o invisível e novamente para o visível - sempre pelo pensamento. Assim, ele continua em seus processos de mudança e refino, criando e dissolvendo, destruindo e construindo seus próprios corpos, os mundos animal e vegetal, as características das nações, os climas da terra, a conformação de seus continentes, sua juventude e idade. e juventude ao longo dos ciclos - sempre através do pensamento. Assim, por meio do pensamento, ele realiza sua parte no grande trabalho de mudar a matéria até que se torne Consciência.