The Word Foundation

A

WORD

Vol 13 ABRIL, 1911. No. 1

Direitos autorais, 1911, de HW PERCIVAL.

SOMBRAS.

Quão misteriosa e comum é uma sombra. Sombras nos deixam perplexos quando bebês em nossas primeiras experiências neste mundo; sombras nos acompanham em nossas caminhadas pela vida; e sombras estão presentes quando partimos deste mundo. Nossa experiência com as sombras começa logo depois que entramos na atmosfera do mundo e vimos a terra. Embora em breve consigamos nos convencer de que sabemos o que são sombras, poucos de nós as examinamos atentamente.

Quando crianças, ficamos deitados em nossos berços, observando e admirando as sombras lançadas no teto ou na parede por pessoas que se moviam na sala. Essas sombras eram estranhas e misteriosas, até resolvermos o problema de nossas mentes infantis, descobrindo que o movimento de uma sombra dependia do movimento da pessoa cujo contorno e sombra era, ou do movimento da luz que a tornava visível. Mesmo assim, era necessário observação e reflexão para descobrir que uma sombra era maior quando mais próxima da luz e mais distante da parede, e que era menor e menos formidável quando mais distante da luz e mais próxima da parede. Mais tarde, quando crianças, éramos entretidos por coelhos, gansos, cabras e outras sombras que algum amigo produzia pela hábil manipulação de suas mãos. À medida que envelhecíamos, não estávamos mais entretidos com esse jogo de sombras. As sombras ainda são estranhas, e os mistérios que as cercam permanecerão até conhecermos os diferentes tipos de sombras; que sombras são e para que servem.

As lições das sombras da infância nos ensinam duas das leis das sombras. O movimento e a mudança de sombras em seu campo variam com a luz pela qual são vistos e com os objetos os contornos e sombras de que são. As sombras são grandes ou pequenas, pois aqueles que as jogam estão longe ou perto do campo em que as sombras são percebidas.

Agora podemos ter esquecido esses fatos, pois esquecemos muitas das importantes lições da infância; mas, se foram aprendidos, sua importância e verdade nos atrairão nos próximos dias, quando saberemos que nossas sombras mudaram.

Atualmente, podemos dizer, quatro fatores necessários para a projeção de uma sombra: primeiro, o objeto ou coisa em que se encontra; segundo, a luz, que torna visível; terceiro, a sombra; e quarto, o campo ou tela em que a sombra é vista. Isso parece fácil o suficiente. Quando nos dizem que uma sombra é apenas o contorno na superfície de qualquer objeto opaco que intercepta os raios de luz que caem nessa superfície, a explicação parece tão simples e fácil de entender que torna desnecessária a investigação adicional. Mas tais explicações, por mais verdadeiras que sejam, não satisfazem completamente os sentidos nem o entendimento. Uma sombra tem certas características físicas. Uma sombra é mais do que um mero contorno de um objeto que intercepta a luz. Produz certos efeitos nos sentidos e afeta estranhamente a mente.

Todos os corpos que são chamados de opacos farão com que uma sombra seja lançada quando estiverem diante da fonte da qual a luz vem; mas a natureza de uma sombra e os efeitos que ela produz diferem de acordo com a luz que projeta a sombra. As sombras lançadas pela luz solar e seus efeitos são diferentes das sombras causadas pela luz da lua. A luz das estrelas produz um efeito diferente. As sombras projetadas pela lâmpada, gás, luz elétrica ou por qualquer outra fonte artificial são diferentes quanto à sua natureza, embora a única diferença que apareça à vista seja a maior ou menor distinção no contorno do objeto na superfície em que o objeto sombra é lançada.

Nenhum objeto físico é opaco no sentido de ser impermeável ou interceptar toda a luz. Cada corpo físico intercepta ou corta alguns dos raios da luz e transmite ou é transparente para outros raios.

Uma sombra não é apenas a ausência da luz no contorno do objeto que a intercepta. Uma sombra é uma coisa em si. Uma sombra é algo mais que uma silhueta. Uma sombra é mais do que a ausência de luz. Uma sombra é a projeção de um objeto em combinação com a luz pela qual ele é projetado. Uma sombra é a projeção da cópia, contraparte, dupla ou fantasma do objeto projetado. Há um quinto fator necessário para causar uma sombra. O quinto fator é a sombra.

Quando olhamos para uma sombra, vemos o contorno do objeto projetado, em uma superfície que intercepta a sombra. Mas não vemos a sombra. A sombra real e a sombra real não são meros contornos. A sombra é uma projeção da sombra do interior, bem como do contorno do corpo. O interior do corpo não pode ser visto porque o olho não é sensível aos raios de luz que entram no interior do corpo e projetam sua sombra. Toda a sombra ou sombra que pode ser percebida através do olho é apenas o contorno da luz, à qual o olho é sensível. Mas se a visão fosse treinada, o vidente podia perceber o interior do corpo em todas as suas partes por meio de sua sombra, porque a luz que passa pelo corpo é impressa e carrega uma cópia sutil das partes do corpo através das quais passa. A superfície física na qual a sombra é vista, ou seja, que faz com que o contorno da luz na forma do corpo seja visto, imprimiu nela uma cópia da sombra e é afetada pela sombra na superfície. grau em que retém a impressão por muito tempo após a remoção do corpo ou da luz que o lança.

Se a superfície de uma placa fosse sensibilizada aos raios de luz que passam por corpos chamados opacos e que lançam sombras, essa superfície reteria a impressão ou a sombra, e seria possível para alguém com visão treinada ver não apenas o contorno da figura, mas para descrever e analisar o interior do original dessa sombra. Seria possível diagnosticar a condição do corpo vivo no momento da impressão sombria e prever futuros estados de doença ou saúde de acordo com o diagnóstico. Mas nenhuma placa ou superfície retém a impressão da sombra, como é vista pela visão física comum. Aquilo que é chamado de sombra, do ponto de vista físico, produz certos efeitos, mas estes não são vistos.

(Continua.)