The Word Foundation

A vontade é o caminho da consciência.

A vontade é impessoal, móvel, livre; a fonte de poder, mas não um poder em si. Por todas as incontáveis ​​eras, o Grande Sacrifício é a Vontade.

-O zodíaco.

A

WORD

Vol 2 MARÇO, 1906. No. 6

Direitos autorais, 1906, de HW PERCIVAL.

VONTADE

VONTADE (peixes) é o décimo segundo signo do zodíaco.

Do primordial não manifestado à manifestação, a ordem da involução é: o movimento (touro) faz com que a substância homogênea (gêmeos) expresse a dualidade como matéria espiritual; a matéria espiritual é acionada pelo grande alento (câncer), que o respira no oceano da vida (leo); o oceano da vida germina e precipita em forma (virgo); e a forma se transforma em sexo (libra). Com o desenvolvimento do sexo, a involução da matéria espiritual é completa. Quando o sexo é desenvolvido, a mente (câncer) encarna. A ordem da evolução é: a matéria espiritual do sexo (libra) desenvolve o desejo (escorpião) através da forma (virgem); o desejo se transforma em pensamento (sagital) através da vida (leo); o pensamento se desenvolve na individualidade (capricórnio) através da respiração (câncer); a individualidade se desenvolve na alma (aquário) através da substância (gêmeos); a alma se desenvolve em vontade (peixes) através do movimento (touro). A vontade se torna consciência (aries).

A vontade é incolor. A vontade é universal. A vontade é desapaixonada, sem limites. É a fonte e a origem de todo poder. Will é onisciente, onisciente, onisciente, sempre presente.

A vontade capacita todos os seres de acordo com sua capacidade de usá-la, mas a vontade não é um poder.

A vontade está livre de todos os vínculos, laços, limitações ou emaranhados. Will é livre.

Will é impessoal, desapegado, ilimitado, móvel, silencioso, sozinho. A vontade está presente em todos os planos e capacita todas as entidades de acordo e proporcional à sua natureza e capacidade de usar o poder. Embora a vontade dê aos seres poder para agir de acordo com suas qualidades, propriedades, desejos, pensamentos, conhecimentos e sabedoria inerentes, ainda assim permanecerá livre e incolor pelo caráter de qualquer ação.

Sem vontade, nada é possível. Will se presta a toda e qualquer operação. A vontade não está confinada, limitada, anexada ou interessada em qualquer motivo, causa, operação ou efeito. A vontade é muito oculta e misteriosa.

A vontade é tão livre quanto a luz do sol e necessária para toda ação como a luz do sol é para o crescimento, mas a vontade não seleciona aquele a quem ela mais capacita do que a luz do sol decide sobre qual objeto ela deve cair. O sol brilha em tudo o que chamamos de bom e ruim, mas o sol não brilha com a intenção de ser bom ou ruim. O sol fará com que uma carcaça espalhe pestilência e morte, e também fará com que a terra com cheiro doce produza alimento vital para seus filhos. Insolação e saúde avermelhada, deserto árido e vale fértil, máscaras mortais e frutas saudáveis ​​são os presentes do sol.

A vontade é a fonte de poder que permite ao assassino dar o golpe fatal, e também a fonte de poder que permite realizar qualquer ato de bondade, exercício mental ou corporal ou auto-sacrifício. Prestar-se a quem o usa, a vontade é, no entanto, livre da ação que impele. Não se restringe à ação nem ao motivo da ação, mas presta-se a ambos para que, através da experiência, e como resultado da ação, o ator possa chegar ao conhecimento final da ação certa e errada.

É um grande erro dizer que a vontade pode ser fortalecida, como seria dizer que podemos dar luz ao sol. A vontade é a fonte de força como o sol é a luz. O homem usa a vontade tão livremente quanto ele usa a luz solar, mas o homem sabe como usar a vontade sabiamente em um grau ainda menor do que ele sabe usar a luz solar. Tudo o que o homem pode fazer é saber como se preparar e, em seguida, preparar instrumentos para o uso da luz solar ou da vontade. A luz solar distribui vastas quantidades de força das quais o homem usa apenas uma porção escassa, porque ele não sabe nem sabe como preparar os instrumentos para seu uso, e porque não sabe usá-lo sabiamente. A vontade é a grande fonte de todo poder, mas o homem a usa em um grau muito limitado, porque ele não tem bons instrumentos, porque ele não sabe como usar a vontade, nem como preparar os instrumentos para seu uso.

Em seu próprio plano e no plano do movimento, a vontade é incolor e impessoal; no plano da substância e da alma universal (gêmeos - aquário), permitirá que a substância se diferencie em matéria espiritual e alma para proteger, unir e se sacrificar por todas as coisas; no plano da respiração e da individualidade (câncer - capricórnio), é o poder da respiração trazer todas as coisas à manifestação, e capacita a individualidade a se tornar autoconhecida e imortal; no plano da vida e do pensamento (leo - sagital), permite que a vida construa e quebre formas, e capacita o pensamento a obter os resultados desejados de acordo com os objetos de sua escolha; no plano da forma e do desejo (virgo-escorpião), permite que a forma mantenha o corpo, a cor e a figura, e capacita o desejo de agir de acordo com seu impulso cego; no plano do sexo (libra), o habilitará a reproduzir formas, combinar, ajustar, equilibrar, transmutar e sublimar todos os princípios do homem e do universo.

O homem tem, portanto, em seu corpo físico, o material e os poderes necessários para obter qualquer objeto e tornar-se qualquer ser, poder ou deus, tudo pelo uso da ação mágica da vontade.

Cada ser humano não é um único homem, mas uma combinação de sete homens. Cada um desses homens tem suas raízes em um dos sete constituintes do homem físico. O homem físico é o mais baixo e mais grosseiro dos sete. Os sete homens são: O homem físico bruto; o homem de forma; o homem da vida; o homem do desejo; o homem de espírito; o homem da alma; o homem de vontade. O aspecto material do homem de vontade é o princípio seminal no corpo físico. O princípio seminal é tão livre e desapegado dos usos a que se destina, como o princípio inteligente da vontade de onde provém seu poder.

A cada inspiração (câncer), a respiração estimula, por meio do sangue, o desejo (escorpião) de agir. Quando esse centro é estimulado, com a pessoa comum, o pensamento é induzido pelo desejo, que geralmente controla o pensamento, e a vontade (pisces), seguindo o pensamento, fortalece o desejo de ação. Assim, obtemos o ditado hermético: "Por trás da vontade está o desejo", que se baseia no fato de que a vontade é incolor e impessoal, e que, embora desinteressada nos resultados de qualquer ação, a vontade é a fonte do poder da ação; e que, para induzir a ação da vontade, o homem em seu estado atual deve desejar. Se, no entanto, o pensamento não segue a sugestão do desejo, mas apela na aspiração a um ideal superior, a força do desejo deve seguir o pensamento, e é elevada à vontade. A tríade da respiração-desejo-vontade (câncer-escorpião-peixes) é dos pulmões, dos órgãos sexuais, da cabeça e da coluna vertebral. O zodíaco é realmente o plano da construção e desenvolvimento do universo e de qualquer um ou todos os sete homens.

O princípio seminal é o meio no corpo através do qual a vontade universal pode operar, e as possibilidades e realizações de um homem dependem dos usos aos quais esse princípio é aplicado. A imortalidade é alcançada no corpo. Somente enquanto vive em seu corpo, somente antes da morte, o homem pode se tornar imortal. Após a morte do corpo, ninguém se torna imortal, mas ele deve reencarnar nesta terra em um novo corpo físico humano.

Agora, para se tornar imortal, o homem deve beber o “elixir da vida”, a “água da imortalidade”, o “néctar dos deuses”, “as águas doces de Amrita”, o “suco de soma”, como é chamado nas várias literaturas. Ele deve, como dizem os alquimistas, ter encontrado "a pedra filosofal", pela qual os metais básicos são transmutados em ouro puro. Tudo isso se refere a uma coisa: ao homem-mente e ao princípio seminal que o nutre. Este é o agente mágico pelo qual todos os resultados são produzidos. O princípio seminal é o poder procriativo que se move, que estimula a alma, que fortalece a mente, que queima desejos, edifica vidas, cria formas e dá forma.

Há alquimizado a partir da quarta rodada da quintessência dos quatro alimentos ingeridos no corpo (ver editorial "Comida," A Palavra, Vol. Eu, não. 6), o homem-mente. Ele é nutrido e edificado pelo princípio seminal, que é a vontade. Para alcançar esse resultado da construção do homem-mente, que é mágico, todas as outras coisas devem ser subservientes ao princípio seminal; todos os atos da vida, com o objetivo de sublimar a quintessência; e, portanto, não se deve apelar ao princípio seminal para emprestar seu poder à indulgência ou excesso. Então a vontade universal fará da quintessência através da vontade, aquele corpo mental que se torna autoconsciente; imortal; antes da morte do corpo. Um método prático para os alunos é pensar com cada inspiração dos centros superiores do corpo, até que os pensamentos estejam lá centrados habitualmente. Sempre que os pensamentos são atraídos pelo desejo para os centros inferiores, os pensamentos devem ser levantados imediatamente. Isso constrói a mente-homem e chama diretamente a vontade de cima, em vez de deixar que a vontade seja movida pelo desejo de baixo. Atrás da vontade está o desejo, mas acima do desejo está a vontade. O aspirante no Caminho da Consciência cria uma nova regra; para ele a ordem muda; para ele: acima do desejo está a vontade.

O pré-requisito de todo progresso real é uma firme convicção de que cada ser humano tem o direito e o poder de escolha para agir de acordo com sua inteligência e que o único limite para sua ação é a ignorância.

Com pouca sabedoria e aparentemente nenhuma noção clara do que realmente sabem, as pessoas falam sobre livre arbítrio e destino. Alguns dizem que o homem tem livre-arbítrio, enquanto outros afirmam que o desejo não é livre, que é uma faculdade ou qualidade da mente. Muitos afirmam que a mente e tudo o mais é a elaboração do destino; que todas as coisas são como são porque estão muito destinadas a ser; que todas as coisas no futuro serão apenas o que elas são predeterminadas e destinadas a se tornar por uma vontade, poder, providência, destino ou Deus superior; e que, não tendo voz ou escolha no assunto, o homem deve se submeter.

A liberdade nunca pode ser alcançada por quem não sente intuitivamente que a vontade é livre. Aquele que acredita que todos são impelidos a cometer ações por uma vontade predestinada que não a sua, é governado e controlado por um impulso natural que surge do desejo que o envolve e mantém em cativeiro. Enquanto um homem acredita que não tem o poder de escolha ou de "livre-arbítrio", não há possibilidade de sair de sua esteira imediata de hábitos sob o controle e a dominação do desejo.

Se é verdade que a vontade é livre; esse homem pode querer; que todos os homens têm direito e poder de escolha; como reconciliamos as declarações? A pergunta depende, é claro, do que o homem é; o que é vontade; e o que é o destino Que homem e qual é a vontade, vimos. Agora, o que é o destino?

O movimento que causa a primeira diferenciação de substância homogênea no mundo não manifestado numenal ser manifestado em qualquer período evolutivo, é determinado pelo desejo combinado, pensamento, conhecimento, sabedoria e vontade do período evolutivo precedente, e esse movimento é absoluto. e imutável em sua ação até que aproximadamente o mesmo grau ou estágio de desenvolvimento tenha sido alcançado como no período evolutivo anterior. Isso é destino ou destino. É o balanço da nossa conta e a conta do ciclo de evolução passado. Isso se aplica ao universo ou ao nascimento de um homem.

Hora e local de nascimento; circunstâncias do ambiente; criação e as faculdades e tendências inerentes ao corpo; são o destino, registro ou descrição do personagem, que é a herança do personagem de seus esforços e experiências passados. O total pode ser favorável ou desfavorável. Ele tem um balanço patrimonial para começar e deve liquidar contas antigas. As tendências e faculdades do corpo são o destino, pois limitam a ação da mente, até que as contas sejam resolvidas. Então, não há escapatória, não há escolha? Há sim. A escolha está na maneira pela qual ele aceita e usa seu destino.

O homem pode desistir completamente e abandonar-se às sugestões de sua herança, ou ele pode aceitá-las como sugestões para o que valem a pena e decidir mudar. Pouco progresso pode ser visto a princípio, mas ele começará a moldar seu futuro, como no passado moldou o presente.

O momento da escolha é todo momento de pensamento. A soma total dos pensamentos de uma vida é o destino ou a herança da encarnação futura.

O homem não pode ter ou usar a vontade livremente, que não é ele mesmo livre, e ninguém é livre, apegado às suas ações ou aos resultados de suas ações. O homem é livre apenas na medida em que age sem apego às suas ações. Um homem livre é aquele que sempre age com razão, mas que não está apegado a seus atos nem aos resultados de suas ações.

Will, ele próprio, decide e escolhe quando deseja se tornar consciência, mas nunca sob nenhuma outra circunstância ou condição se interessará, escolherá ou decidirá o que fará, embora seja a única fonte de poder que capacite todos motivos para a ação e produz os efeitos das ações.

No editorial sobre Formato (A Palavra, Vol. Eu, não. 12) foi dito que existem apenas dois caminhos: o caminho da consciência e o caminho das formas. A isto deve agora ser adicionado: desejo é o caminho das formas; vontade é o caminho da consciência.

Will é o conservador e recriador sem desejos de criador de todas as coisas. É a fonte silenciosa de todo o poder de todos os deuses em todas as épocas da infinita harmonia do tempo. No final de toda evolução ou grande período de manifestação, a vontade é o motor do movimento universal que resolve toda a matéria em substância primordial, imprimindo em cada partícula os registros de suas ações em manifestação; e a substância retém essas impressões, mesmo quando a terra congelada preserva os germes latentes. É também, no início de cada grande manifestação, que, como auto-movimento, faz com que o primeiro movimento na substância e todos os germes surjam em vida e ação.

A vontade é o grande sacrifício por todas as incontáveis ​​eternidades. Ela tem o poder de se identificar e se tornar Consciência, mas permanece por toda a eternidade a escada pela qual toda partícula de matéria pode passar por todos os estágios da experiência, conhecimento, sabedoria e poder e, finalmente, vontade própria, tornar-se Consciência.