The Word Foundation

Ninguém vê o movimento lento e ascendente
Pelo qual a alma das profundezas da vida profundamente
Asccnds, a menos que, talvez, quando livres,
A cada nova morte, vemos para trás
A longa perspectiva de nossa raça
Nossos múltiplos livcs do passado traçam.

- William Sharp.

A

WORD

Vol 1 JANEIRO, 1905. No. 4

Direitos autorais, 1905, de HW PERCIVAL.

CICLOS.

Entre problemas que atormentaram a mente humana, nenhum causou mais perplexidade do que a dos ciclos ou a recorrência periódica de eventos.

Os antigos procuravam conhecer a lei dos ciclos para conformar suas vidas a ela. Em nossos dias, os homens procuram descobrir leis cíclicas para que possam conduzir seus negócios com lucro. Em todos os tempos, os homens tentaram descobrir a lei dos ciclos porque, com esse conhecimento, podiam seguir com segurança suas atividades agrícolas, evitar epidemias, pestes e combater a fome; predizer guerras, tempestades, distúrbios sísmicos e proteger-se dos afetos da mente; conhecer a causa do nascimento, vida, morte e o estado posterior; e lucrando com as experiências do passado, eles poderiam delinear eventos futuros com precisão.

A palavra ciclo é derivada do grego "kuklos", que significa anel, roda ou círculo. Em um sentido mais amplo, um ciclo é a ação e a reação dos movimentos de um centro, a natureza e a duração do ciclo sendo medidas pela direção e impulso dos movimentos à medida que eles passam e retornam à sua fonte. O fim de um ciclo ou círculo é o começo de outro, de modo que o movimento é espiral, como no enrolamento de uma corda ou no desdobramento das pétalas de uma rosa.

Os ciclos podem ser divididos em duas classes amplas: as conhecidas e as que são objeto de especulação. Entre aqueles com os quais estamos mais familiarizados está o ciclo de um dia, quando a Terra fez uma revolução completa em torno de seu eixo em vinte e quatro horas; o ciclo de um mês lunar, quando a lua fez uma revolução ao redor da terra em dias 28; o ciclo de um ano, quando a Terra completou uma revolução em torno do Sol e o Sol fez uma revolução através dos signos do zodíaco, um período de aproximadamente 365 dias; e o ano sideral ou ciclo da precessão dos equinócios, quando o polo do equador já girou em torno do polo da eclíptica nos anos 25,868.

É de conhecimento geral que, desde a aparente jornada do sol através das constelações do zodíaco, obtemos nossas quatro estações: primavera, verão, outono e inverno, cada uma se estendendo por um período de três meses e cada uma delas esses meses são divididos em quatro quartos e uma fração, sendo cada quarto do mês uma fase da lua como primeiro trimestre, lua cheia, último trimestre e lua nova. O zodíaco é o grande relógio sideral, o sol e a lua, suas mãos, que marcam períodos de tempo. Depois do zodíaco, criamos um cronômetro com doze signos; estes marcam os períodos claros e escuros em um dia de duas vezes doze horas.

Um assunto de interesse para o estatístico e historiador é o aparecimento cíclico de febres, pragas, fomes e guerras; a aparência cíclica e o desaparecimento das raças, e a ascensão e queda periódica das civilizações.

Entre os ciclos individuais, há o ciclo da corrente vital que passa da aura ao redor do corpo para as câmaras de ar dos pulmões, onde, usando o sangue como veículo, flui pelas veias pulmonares para a aurícula esquerda e depois para a ventrículo esquerdo, daí a passagem pela aorta é distribuída a todas as partes do corpo como sangue arterial. A corrente de vida com as células da vida retorna através dos capilares para as veias, daí pelas veias cavae para a aurícula direita, daí para o ventrículo direito e daí pela artéria pulmonar para os pulmões, onde, tendo sido purificada, novamente torna-se a transportadora da vida para o corpo, o ciclo completo ocupando cerca de trinta segundos.

O mais importante de todos os ciclos para nós é aquele ciclo em que está incluído o estado pré-natal, nascimento, vida neste mundo, morte e o estado pós-morte. A partir de uma revelação deste ciclo, seguirá o conhecimento de todos os outros ciclos. Acreditamos que no desenvolvimento pré-natal do homem, toda a história do nosso planeta é resumida.

O corpo humano é preparado para funcionar por um certo período, o ciclo de sua vida. Nesse período, as eras passadas da vida da humanidade são vividas novamente pelo indivíduo. Então a roda da vida se transforma no ciclo da morte.

É com os ciclos de nascimento, vida e morte que os filósofos antigos estavam preocupados, porque, ao conhecê-los, eles poderiam entrar e sair daquele bourne do qual, segundo se diz, nenhum viajante retorna. O objetivo do desenvolvimento pré-natal é desenhar os elementos universais em um corpo, moldá-los na forma humana, o que oferece a maior oportunidade de experiência ao princípio inteligente, a mente, que deve habitar o corpo humano. Para a mente, o objetivo da vida é adquirir um conhecimento de sua relação com o universo, através e enquanto estiver no corpo, desempenhar os deveres que se seguem a esse conhecimento e construir no futuro as experiências do passado.

A morte é o fechamento, a revisão e o equilíbrio do trabalho da vida, e um meio de retornar ao mundo os pensamentos que pertencem a este mundo. É o portal através do qual a alma retorna à sua própria esfera.

O estado pós-morte é o período de descanso e gestação do trabalho da vida antes do início de outra vida.

Nascimento e morte são a manhã e a tarde da alma. A vida é o período para o trabalho e, depois da morte, descanso, recuperação e assimilação. Como os deveres da manhã são realizados após o descanso da noite, então o trabalho do dia, os deveres da noite e voltam ao descanso, assim a alma veste suas vestimentas apropriadas e elas passam pelo período da infância. no trabalho da vida real, e são deixados de lado à tarde da velhice, quando a alma passa para o descanso que a preparará para uma nova jornada.

Todos os fenômenos da natureza contam a história da alma através de seus ciclos, encarnações e reencarnações na vida. Como devemos regular esses ciclos, como acelerar, diminuir ou mudar seus movimentos? Quando o caminho é realmente visto, cada um encontra em seu poder fazê-lo. O caminho é através do pensamento. Através do pensamento na mente, a alma veio ao mundo, através do pensamento, a alma tornou-se ligada ao mundo, através do pensamento, a alma se libertou.

A natureza e a direção do pensamento determinam seu nascimento, caráter e destino. O cérebro é a oficina do corpo, os pensamentos que são formados a partir desta oficina passam ao espaço para retornar depois de um tempo mais longo ou mais curto ao seu criador. Como os pensamentos criados afetam as mentes dos homens de natureza semelhante à do pensamento, eles retornam ao seu criador para reagir a ele como haviam agido nos outros. Pensamentos de ódio, egoísmo e afins, obrigam seu criador a passar por experiências semelhantes e vinculá-lo ao mundo.

Pensamentos de altruísmo, compaixão e aspiração atuam na mente dos outros e, retornando ao seu criador, libertam-no dos laços dos nascimentos recorrentes.

São esses pensamentos que o homem projeta continuamente que o encontram após a morte. Ele deve habitar com esses pensamentos, digeri-los e assimilá-los, cada um em sua classe, e depois que isso tiver sido feito, ele deve retornar a este mundo, à escola e ao educador da alma. Se prestar atenção ao fato, descobrirá que há períodos na vida de alguém em que certos humores se repetem. Períodos de desânimo, melancolia, desespero; períodos de alegria exuberância e felicidade; períodos de ambição ou aspiração. Observem esses períodos, combatam as más tendências e aproveitem as oportunidades favoráveis.

Esse conhecimento só pode chegar ao homem que se torna "sábio como uma serpente e tão inofensivo quanto uma pomba".