The Word Foundation

O desejo é a causa do nascimento e da morte, e morte e nascimento,
Mas depois de muitas vidas, quando a mente superou o desejo,
Desejo livre, autoconhecimento, o Deus ressuscitado dirá:
Nascido do teu ventre de morte e escuridão, oh desejo, eu me juntei
O anfitrião imortal.

-O zodíaco.

A

WORD

Vol 2 NOVEMBRO, 1905. No. 2

Direitos autorais, 1905, de HW PERCIVAL.

DESEJO.

De todos os poderes com os quais a mente do homem precisa enfrentar, o desejo é o mais terrível, o mais enganador, o mais perigoso e o mais necessário.

Quando a mente começa a encarnar, ela fica aterrorizada e repelida pela animalidade do desejo, mas, através da associação, a repulsão se torna atraente, até que a mente seja finalmente enganada e amortecida pelo esquecimento por seus prazeres sensuais. O perigo é que, através do desejo de si, a mente possa confrontar-se com o desejo por muito mais tempo do que deveria, ou pode optar por se identificar e, assim, retornar à escuridão e ao desejo. É necessário que o desejo dê resistência à mente, que, vendo através de suas ilusões, a mente se conhecerá.

O desejo é a energia adormecida na mente universal. Com o primeiro movimento da mente universal, o desejo desperta em atividade os germes de todas as coisas existentes. Quando tocado pela respiração da mente, o desejo é despertado de seu estado latente e envolve e permeia todas as coisas.

O desejo é cego e surdo. Não pode provar, cheirar ou tocar. Embora o desejo esteja sem sentidos, ele usa os sentidos para ministrar a si mesmo. Embora cego, alcança através dos olhos, atrai e anseia por cores e formas. Embora surdo, ouve e bebe através do ouvido os sons que estimulam a sensação. Sem sabor, ainda sente fome e se gratifica pelo paladar. Sem cheiro, mas através do nariz inala odores que agitam seu apetite.

O desejo está presente em todas as coisas existentes, mas só chega à expressão completa e completa através da estrutura animal orgânica viva. E o desejo só pode ser atendido, dominado e direcionado a usos superiores ao animal enquanto estiver em seu estado animal nativo no corpo animal humano.

O desejo é um vácuo insaciável que causa o constante ir e vir da respiração. O desejo é o redemoinho que atrai toda a vida para si. Sem forma, o desejo entra e consome todas as formas pelo seu humor em constante mudança. O desejo é um polvo profundamente enraizado nos órgãos do sexo; seus tentáculos alcançam as avenidas dos sentidos no oceano da vida e atendem a suas demandas que nunca devem ser satisfeitas; fogo ardente, ardente, enfurece seus apetites e luxúrias e enlouquece as paixões e ambições, com o egoísmo cego do vampiro, extrai as forças do próprio corpo através do qual sua fome é apaziguada e deixa a personalidade queimada cinzas na pilha de lixo do mundo. O desejo é uma força cega que enerva, estagna e sufoca, e é morte para todos os que não conseguem manter sua presença, convertê-lo em conhecimento e transmutá-lo em vontade. O desejo é um redemoinho que atrai todo pensamento sobre si mesmo e o obriga a fornecer novas melodias para a dança dos sentidos, novas formas e objetos de posse, novos rascunhos e demandas para satisfazer os apetites e entorpecer a mente, e novas ambições para mimar a mente. personalidade e ceder ao seu egoísmo. O desejo é um parasita que cresce, come e engorda na mente; entrando em todas as suas ações, lançou um glamour e fez com que a mente a considerasse inseparável ou a identificasse com ela mesma.

Mas o desejo é a força que faz com que a natureza se reproduza e produza todas as coisas. Sem desejo, os sexos se recusariam a acasalar e reproduzir sua espécie, e a respiração e a mente não poderiam mais encarnar; sem desejo, todas as formas perderiam sua atraente força orgânica, se desintegrariam no pó e se dissipariam no ar, e a vida e o pensamento não teriam um plano para precipitar, cristalizar e mudar; sem desejo, a vida não poderia responder à respiração, germinar e crescer, e, como não havia material sobre o qual trabalhar o pensamento suspendesse sua função, deixaria de agir e deixaria a mente em branco. Sem desejo, a respiração não faria com que a matéria se manifestasse, o universo e as estrelas se dissolveriam e retornariam ao elemento primordial, e a mente não teria se descoberto antes da dissolução geral.

A mente tem individualidade, mas o desejo não. Mente e desejo brotam da mesma raiz e substância, mas a mente é um grande período evolutivo antes do desejo. Pelo fato de o desejo estar relacionado à mente, ele tem o poder de atrair, influenciar e enganar a mente, acreditando que ela é idêntica. A mente não pode prescindir do desejo, nem o desejo pode prescindir da mente. O desejo não pode ser morto pela mente, mas a mente pode elevar o desejo das formas inferiores para as superiores. O desejo não pode progredir sem a ajuda da mente, mas a mente nunca pode conhecer a si mesma sem ser testada pelo desejo. É dever da mente suscitar e individualizar o desejo, mas, como o desejo é ignorante e cego, sua ilusão mantém a mente prisioneira até que a mente veja através da ilusão e seja forte o suficiente para suportar e subjugar o desejo. Por esse conhecimento, a mente não apenas se vê como diferente e porque liberta da ignorância do desejo animal, mas também inicia o animal no processo de raciocínio e, portanto, o eleva das trevas para o plano da luz humana.

O desejo é um estágio no movimento consciente da substância, à medida que é inspirado na vida e se desenvolve através da forma mais elevada de sexo, em que é atingido o auge do desejo. Através do pensamento, ele pode então se separar e passar além do animal, uni-lo à alma da humanidade, agir de maneira inteligente com o poder da vontade divina e, por fim, tornar-se a Consciência Única.