The Word Foundation

A

WORD

JULHO, 1908.


Direitos autorais, 1908, de HW PERCIVAL.

MOMENTOS COM AMIGOS.

Você pode me dizer alguma coisa sobre a natureza do fogo ou da chama? Sempre pareceu uma coisa muito misteriosa. Não consigo obter informações satisfatórias de livros científicos.

Fogo é o espírito da chama. Chama é o corpo do fogo.

O fogo é o elemento condutor energético ativo em todos os corpos. Sem fogo, todos os corpos seriam imóveis - uma impossibilidade. O fogo é aquele em cada corpo que obriga as partículas do corpo a mudar. No homem, o fogo age de várias maneiras. O elemento do fogo entra pela respiração e entra no sangue. Queima os tecidos residuais que são levados pelo sangue e removidos pelos canais excretores, como poros, pulmões e canal intestinal. O fogo faz com que o corpo astral, molecular, do corpo físico mude. Essa mudança constante produz calor no corpo. Fogo e oxigênio, o corpo grosseiro em que o fogo se manifesta, estimulam os desejos, causando explosões de paixão e raiva, que queimam o corpo astral e usam a força nervosa. Tal ação do fogo é elementar e de acordo com o impulso natural.

Há outro fogo, conhecido por alguns como o fogo alquímico. O verdadeiro fogo alquímico é o fogo da mente no pensamento, que resiste aos incêndios e controles elementares e os compele a se conformar ao design inteligente, conforme determinado pela mente; enquanto que, quando não são controlados pelo homem, os incêndios elementares do desejo, paixão e raiva são controlados pela mente universal, isto é, a mente na natureza, que não é individualizada - chamada Deus, natureza ou Deus agindo através da natureza. O homem, como uma mente individual, agindo sobre os incêndios elementares e obrigando-os a se conformar com o design inteligente, faz com que eles entrem em novas combinações e o resultado das combinações de incêndios elementares é pensado. Através do pensamento e do pensamento, os fogos do corpo e da matéria elementar são dados forma nos mundos invisíveis. Essas formas de pensamento nos mundos invisíveis obrigam a matéria grosseira a se adaptar às formas.

Algumas das características do fogo e da chama são que são quentes, que nem por um instante permanecem as mesmas, que são diferentes de qualquer outro fenômeno que conhecemos, que dão luz, produzem fumaça, mudam de forma ao reduzi-las a cinzas, que através da chama, seu corpo, o fogo aparece tão repentinamente quanto desaparece, que eles sempre sobem e são apontados. O fogo que vemos é a condição na qual o espírito do corpo, mantido em cativeiro pela matéria grosseira, é liberado e volta ao seu estado elementar primitivo. Em seu próprio plano, em seu próprio mundo, o fogo é livre e ativo, mas, no curso da manifestação por involução, a ação do fogo é reduzida e controlada e, finalmente, é mantida dentro dos corpos dos quais é o espírito, pois o fogo é o espírito em todos os corpos. O fogo mantido em ligação pela matéria bruta, podemos chamar de fogo latente. Este fogo latente está em todos os reinos da natureza. O fogo latente é, no entanto, mais ativo em alguns departamentos de cada um dos reinos do que em outros departamentos do mesmo reino. Isso é demonstrado pela pederneira e pelo enxofre no mineral, pela madeira dura e pela palha no reino vegetal e pela gordura e pele nos corpos dos animais. O fogo latente também está em certos fluidos, como o óleo. Um corpo inflamável requer a presença apenas do fogo ativo para evocar e libertar o latente de sua prisão. Assim que evocado, o fogo latente se torna visível por um momento e depois passa para o mundo invisível de onde veio.

O fogo é um dos quatro elementos conhecidos por todos os ocultistas. O fogo é o mais oculto dos elementos. Nenhum dos elementos conhecidos como fogo, ar, água e terra é visível aos olhos, exceto na condição mais grosseira desse elemento. Portanto, vemos apenas as fases ou aspectos mais baixos dos elementos dos quais geralmente falamos como terra, água, ar e fogo. Cada um dos quatro elementos é necessário na construção da matéria física, e cada um dos elementos é representado em conexão com cada um dos outros. Como cada partícula de matéria física mantém os quatro elementos em combinação em certas proporções, cada um dos quatro elementos volta à sua condição elementar assim que a combinação é quebrada. Fogo é aquele que geralmente interrompe a combinação e faz com que os elementos que entraram na combinação retornem aos seus estados originais. Quando o fogo é evocado, sendo o principal fator nos corpos inflamáveis, parece simplesmente passar. Ao falecer, também faz com que os elementos ar, água e terra retornem às suas diversas fontes. O ar e a água retornados são vistos na fumaça. A parte da fumaça que é o ar, e que geralmente é notada no tremor da fumaça, logo se torna invisível. A parte da fumaça que é água retorna ao elemento água pela umidade, também suspensa no ar, e que se torna invisível. A única porção restante é a parte mais grosseira do elemento terra, que está na fuligem e nas cinzas. Além do fogo latente, há o fogo químico, que é demonstrado pela ação corrosiva de certos produtos químicos que entram em contato com outros produtos químicos, pelo oxigênio absorvido pelo sangue e pelos fermentos que causam a digestão dos alimentos. Depois, há o fogo alquímico que é gerado pelo pensamento. A ação do fogo alquímico do pensamento faz com que o desejo grosseiro seja transmutado em uma ordem superior de desejo, que é novamente refinada e sublimada em aspirações espirituais, tudo pelo fogo alquímico do pensamento. Depois, há o fogo espiritual que reduz todas as ações e pensamentos ao conhecimento e constrói um corpo espiritual imortal, que pode ser simbolizado por um corpo de fogo espiritual.

 

Qual é a causa de grandes conflagrações, como incêndios nas pradarias e incêndios que parecem surgir simultaneamente de diferentes partes da cidade e o que é combustão espontânea?

Existem muitas causas contribuintes de conflagrações, mas essas muitas causas são representadas na causa imediata da conflagração, que é a presença do elemento fogo antes que a chama apareça. Deve-se entender que o fogo como elemento é capaz de se combinar com outros elementos, no plano do fogo ou em outros planos. Pela combinação dos diferentes elementos obtemos resultados definitivos. Quando o elemento fogo está presente em grande força, ele domina os outros elementos presentes e os compele à ignição por sua presença avassaladora. A presença do elemento fogo evoca o fogo nos corpos vizinhos e através da chama transicional o elemento fogo aprisionado volta à sua fonte original. A chama que salta é usada pelo fogo que a evoca para entrar no mundo através da chama. Quando o elemento fogo domina a atmosfera com força suficiente, age sobre toda matéria inflamável; então, pela mera provocação, como fricção, esse assunto se inflama. Os incêndios nas pradarias ou nas florestas podem ser causados ​​pela fogueira de um viajante, ou pelos raios do sol poente, e o incendiarismo pode ser a causa do incêndio de uma grande cidade, mas estes não são de forma alguma a causa principal em todos os momentos. Pode-se ter notado muitas vezes que o esforço para acender uma fogueira em condições muito favoráveis ​​é muitas vezes seguido de fracasso total, ao passo que, no lançamento de um palito de fósforo incandescente em uma doca, ou no chão nu de um grande edifício onde nada parece presente que queimará facilmente, mas o fogo foi gerado pelo palito de fósforo incandescente e se espalhou tão rapidamente que queimou um prédio inteiro até o chão, por maiores que fossem os esforços para salvá-lo. As conflagrações que consumiram grandes cidades se devem principalmente à presença do elemento fogo em todos esses casos, por mais que possam ser muitas outras causas contributivas.

Diz-se que a combustão espontânea é a união muito rápida de matéria inflamável com oxigênio. Mas a causa é principalmente devido à preparação de matéria inflamável conflitante que atrai o elemento fogo. Assim, ao atrito entre dois materiais inflamáveis, como óleo e trapos, segue-se a súbita união da matéria com o oxigênio do ar; isso induz o elemento fogo, que inicia o material em chamas.

 

Como são formados metais como ouro, cobre e prata?

Existem sete metais, que às vezes são chamados de metais sagrados. Cada um deles é a força, luz ou qualidade precipitada e aprisionada que emana de um dos sete corpos de luz que vemos no espaço e chamamos de planetas. A força, ou luz, ou qualidade de cada um desses corpos que chamamos de planetas é atraída pela terra com sua lua. Essas forças são vivas e são chamadas de espíritos elementais dos elementos ou planetas. A terra com sua lua dá corpo e forma às forças elementais. Os metais representam os sete estágios ou graus pelos quais as forças elementais devem passar no reino mineral antes que possam ter uma entidade distinta e passar para os reinos superiores da natureza física. Há muitos usos para os sete metais. As curas podem ser efetuadas e as doenças provocadas pelo uso ou mau uso dos metais. Os metais possuem qualidades vivificantes e mortíferas. Qualquer um deles pode ser evocado, consciente ou inconscientemente, quando certas condições prevalecem. Seria pedante dar a ordem da progressão dos metais e suas virtudes correspondentes, mesmo estando de posse dos fatos, porque, enquanto há uma progressão ordenada de estado a estado das forças elementais que atuam através dos metais, esta ordem não poderia ser usada por todas as pessoas igualmente; o que se aplicaria ao benefício de um seria desastroso para outro. Cada pessoa, embora construída segundo o mesmo plano, tem em sua composição certas qualidades que correspondem aos espíritos elementais dos metais; alguns destes são benéficos, outros são hostis. De um modo geral, no entanto, o ouro representa o mais alto estágio de desenvolvimento entre os metais. Os sete metais referidos são estanho, ouro, mercúrio, cobre, chumbo, prata e ferro. Esta enumeração não deve ser tomada como a ordem de progressão, ou vice-versa.

Os metais mais usados ​​em épocas passadas não são os mais comuns no presente. O ouro é considerado por nós o mais valioso dos sete metais, embora não seja o mais útil. Poderíamos dispensar mais facilmente o ouro hoje do que podemos dispensar o ferro. Dos metais, o ferro é o mais necessário à nossa civilização, pois entra em todas as fases da vida industrial, como a construção de estruturas altas, a operação de construção e uso de navios a vapor, de ferrovias, motores, ferramentas, utensílios domésticos e móveis . É usado para fins decorativos e é valioso e essencial na medicina. Outras civilizações passaram por seus diferentes períodos, que são conhecidos como idades de ouro, prata, bronze (ou cobre) e ferro. As pessoas da terra, em geral, estão na idade do ferro. É uma época difícil e que muda mais rapidamente do que qualquer uma das outras. O que fazemos agora nos afetará mais positivamente do que em qualquer outra época, porque as coisas se movem mais rapidamente na idade do ferro do que em qualquer outra. As causas são seguidas por suas consequências mais rapidamente no ferro do que em qualquer outra época. As causas que estabelecemos agora passarão para a era seguinte. A idade a seguir é a idade de ouro. Na América, onde uma nova corrida está se formando, já entramos nela.

Os sete metais aqui enumerados estão contados entre os setenta elementos ímpares postulados e tabulados pela ciência moderna. Quanto à forma como são formados, dissemos que as forças, luzes ou qualidades provenientes dos sete corpos no espaço, chamados planetas, são atraídas pela Terra. A terra exerce uma atração magnética e, devido às condições prevalecentes, precipitam-se essas forças que vão se acumulando gradativamente, formando partícula sobre partícula dentro do cinturão magnético que atrai a força. Cada uma das sete forças é conhecida por sua cor e qualidade particulares e pela maneira como as partículas se juntam. O tempo que leva para a formação de qualquer metal depende das condições prevalecentes, pois o ouro pode ser produzido em um tempo extremamente curto quando todas as condições necessárias estão presentes.

Um amigo [HW Percival]