The Word Foundation

A

WORD

MAIO, 1910.


Direitos autorais, 1910, de HW PERCIVAL.

MOMENTOS COM AMIGOS.

É possível desenvolver uma nova espécie de vegetal, fruta ou planta, totalmente diferente e distinta de qualquer outra espécie conhecida? Se sim, como é feito?

É possível. Quem alcançou nessa linha um sucesso notável e amplamente conhecido é Luther Burbank, de Santa Rosa, na Califórnia. O Sr. Burbank ainda não, até onde sabemos, desenvolveu uma espécie totalmente diferente e nova, mas não há nada que o impeça de fazê-lo se ele continuar com seu trabalho. Até o presente momento, até onde sabemos, seus esforços têm sido direcionados ao cruzamento de certas variedades de frutas e plantas, produzindo não espécies totalmente diferentes, mas uma com as características de ambas ou de uma das duas ou mais variedades usadas no desenvolvimento do novo crescimento. Muitos relatos foram publicados sobre o trabalho de Burbank, embora seja provável que ele não tenha dito tudo o que sabe e tudo o que faz para alcançar o sucesso que é dele. Ele prestou um serviço inestimável ao homem: ele tomou alguns crescimentos até então inúteis e questionáveis ​​e os transformou em arbustos úteis, alimentos saudáveis ​​ou belas flores.

É possível desenvolver qualquer vegetal, planta, fruta ou flor, da qual a mente possa conceber. A primeira coisa necessária para desenvolver uma nova espécie é: concebê-la. Se uma mente não pode conceber uma nova espécie, ela não pode desenvolver uma, embora possa, por observação e aplicação, produzir novas variedades de espécies antigas. Aquele que deseja inventar uma nova espécie deve refletir bem sobre o gênero da espécie que ele teria e, em seguida, deve ponderar sobre ela com atenção. Se ele tiver confiança e usar sua mente diligentemente e não permitir que seu pensamento se desvie de outros tipos, nem se dedique a fantasias ociosas, mas pensar e refletir sobre as espécies que ele teria, então, com o tempo, ele conceberá o pensamento que lhe mostrará o tipo que ele tanto deseja. Esta é a primeira prova de seu sucesso, mas não é suficiente. Ele deve continuar a refletir sobre o pensamento que concebeu e a pensar pacientemente nesse pensamento em particular, sem vagar pelos outros. Enquanto ele continua a pensar, o pensamento se tornará mais claro e os meios pelos quais as novas espécies podem ser trazidas ao mundo serão esclarecidos. Enquanto isso, ele deve trabalhar com as espécies mais próximas da que ele tem em mente; sentir neles; conhecer os diferentes movimentos e simpatizar e impressionar a seiva da planta que percorre suas artérias e veias, sentir seus gostos e supri-las, atravessar as plantas que ele selecionou e depois pensar sua espécie no mundo. atravessar, sentir o desenvolvimento das duas variedades que ele escolheu e dar-lhe forma física. Ele não deveria, e se não for até agora desanimado, se não vê de imediato sua nova espécie como produto. Ele deve tentar e tentar novamente e, enquanto continua a tentar, com o tempo se alegrará ao ver as novas espécies surgindo, como certamente acontecerá se ele fizer sua parte.

Aquele que criaria uma nova espécie precisa conhecer pouco de botânica quando começa, mas deve familiarizar-se com tudo o que pode aprender deste trabalho. Todas as coisas que crescem têm sentimentos e o homem deve sentir com elas e amá-las, se quiser conhecer seus caminhos. Se ele tiver o melhor que há neles, deve dar o melhor que tem a eles. Esta regra é válida em todos os reinos.

HW Percival