The Word Foundation

A

WORD

JULHO 1913.


Direitos autorais, 1913, de HW PERCIVAL.

MOMENTOS COM AMIGOS.

É melhor para um homem deixar seu corpo inconscientemente, para que a alma possa entrar em seu estado de sonho?

É melhor que um homem de responsabilidade esteja consciente de tudo o que faz no estado físico e em qualquer outro estado de existência. Se o homem - que significa o princípio do pensamento consciente no corpo - decide deixar seu corpo físico, ele não o deixa inconscientemente; se ele deixa seu corpo inconscientemente, ele não tem escolha.

Não é necessário que a alma - assumindo que "homem" e "alma" estejam na questão que pretendem ser sinônimos - se afaste do corpo físico e entre no estado de sonho. O homem raramente, se é que alguma vez, deixa seu corpo físico antes da morte.

O homem está consciente em seu estado de vigília; ele é consciente no estado de sonho; ele não está consciente durante a passagem do estado de vigília para o sonho; isto é, entre o último momento em que ele está acordado e o começo dos sonhos. A passagem do estado físico para o estado de sonho corresponde ao processo de morte; e embora pelo pensamento e pelo ato o homem determine o que e como será a transição, ele não está consciente nem conhece a passagem quando chegar a hora, mesmo que possa ter algumas impressões da passagem.

Quando o homem aprende como entrar e como deixar o estágio dos sonhos à vontade, ele deixa de ser o homem comum e é algo mais do que o homem comum.

A que altura chegam as almas que deixam conscientemente seus corpos físicos e permanecem conscientes após a morte?

Isso depende de quais foram os pensamentos e ações do que o questionador designa como alma, e das realizações mentais e espirituais em outras vidas físicas e, especialmente, na última. Se o homem puder deixar seu corpo físico conscientemente na morte, ele quer ou sanciona a morte. Seja alguém que passou pelo processo da morte conscientemente ou inconscientemente, o estado de estar consciente, no qual ele entrará, corresponde e é determinado pelo que ele adquiriu conhecimento durante a vida em seu corpo físico na terra. Não aquisição e posse de somas de dinheiro e posses mundanas, por maiores que sejam, nem posição social, nem conhecimento e domínio de costumes e convenções, nem erudição e familiaridade com o que outros homens pensaram; nada disso conta. A conquista após a morte depende do grau de inteligência que o homem alcançou durante a vida; sobre o que ele sabe que a vida é; no controle de seus próprios desejos; no treinamento de sua mente e nos fins para os quais ele a usou, e em sua atitude mental para com os outros.

Cada homem pode formar na vida alguma opinião sobre o estado após a morte, percebendo o que “sabe” e o que faz nesta vida consigo mesmo, e qual é sua atitude para com o mundo exterior. Não o que um homem diz nem o que ele acredita após os estados de morte serão experimentados por ele após a morte. A política da religião modelada em artigos de um credo e crença de teólogos esperançosos ou com rancor contra o mundo não fará com que as pessoas tenham consciência e obtenham após a morte o que tinham ouvido antes, mesmo que acreditassem no que ouviram . O estado pós-morte não é considerado o local quente preparado para aqueles que não acreditam, nem a mera crença e a associação à igreja dão título a lugares escolhidos no céu. A crença nos estados pós-morte só pode afetá-los na medida em que influenciem seu estado de espírito e suas ações. Não há deus no céu para tirar o homem do mundo e de seu seio; não há demônio para pegar o homem em seu forcado quando ele sair do mundo, não importa quais tenham sido suas crenças durante a vida, ou o que lhe foi prometido ou ameaçado pelos teólogos. Medos e esperanças antes da morte não mudarão os fatos dos estados pós-morte. Os fatos que originam e definem os estados após a morte do homem são: o que ele sabia e o que era antes da morte.

O homem pode enganar as pessoas sobre si mesmo enquanto está no mundo; pela prática, ele pode aprender a se enganar sobre si mesmo durante sua vida física; mas ele não pode enganar sua própria alta inteligência, o Self, como às vezes é chamado, quanto ao que ele pensou e fez; pois tudo o que ele pensou e sancionou está em detalhes e em sua totalidade automaticamente registrado em sua mente; e de acordo com a lei inexorável e universal da justiça, da qual não há apelo nem fuga, ele é o que ele pensou e sancionou.

A morte é um processo de separação, desde a hora de deixar o corpo físico até a consciência no estado celestial. A morte retira tudo do homem que não é do mundo celestial. Não há lugar no céu para seus escravos assalariados e suas margens. Se o homem é solitário sem eles, ele não pode estar no céu. Somente aquele dele pode ir para o céu que é do estado celestial e o que não está sujeito ao inferno. Escravos assalariados, terras e bancos permanecem no mundo. Se um homem pensava que os possuía enquanto vivia na terra, estava enganado. Ele não pode possuí-los. Ele pode arrendar coisas, mas é dono apenas daquilo que não pode perder. O que o homem não pode perder vai com ele para o céu, permanece seu na terra, e para sempre ele está consciente disso. Ele pode encobri-lo e encobri-lo na terra com coisas que não lhe pertencem, mas ele ainda está consciente disso. O estado mental em que o homem entra e conhece durante a vida ele entrará e conhecerá após a morte, enquanto na vida física ele é perturbado por problemas e preocupações do mundo. Nas "alturas", ou céu, o que ele tem consciência é livre de medo e aborrecimento. Tudo o que impede a felicidade no mundo é eliminado desse estado.

HW Percival