The Word Foundation

A

WORD

AGOSTO 1913.


Direitos autorais, 1913, de HW PERCIVAL.

MOMENTOS COM AMIGOS.

Por favor, dê uma definição de imortalidade e declare brevemente como a imortalidade pode ser alcançada?

A imortalidade é o estado em que alguém está consciente de sua identidade através de todos os estados, condições e mudanças.

A imortalidade deve ser alcançada de forma inteligente, pelo uso da inteligência. A imortalidade não pode ser alcançada pela crença cega em algum tipo de existência eterna após a morte, nem alguém pode entrar no estado de imortalidade por doação, favor, herança. A imortalidade deve ser conquistada pelo trabalho duro, com inteligência.

A imortalidade deve ser conquistada e adquirida antes da morte, durante a vida em um corpo físico neste mundo físico. Após a morte, a imortalidade não pode ser alcançada. Todas as mentes encarnadas estão se esforçando para serem imortais. Se a imortalidade não é alcançada antes da morte, o corpo morre e a mente retorna à terra em um novo corpo físico, várias vezes e até que a imortalidade seja alcançada.

O caminho para a imortalidade é deixar de se identificar com seu corpo físico, ou com seus desejos e emoções, sua personalidade. Ele deve se identificar com aquilo que tem a presciência do conhecimento; isto é, consigo mesmo. Quando ele pensa sobre isso e se identifica com ele, a imortalidade parece próxima. Para ter sucesso nisso, é preciso fazer um inventário das partes e elementos que compõem o que ele até então se identificou. Após esse inventário, ele deve examinar o que é mutável nele e o que é permanente. Aquele com quem persiste, e não está sujeito a tempo e lugar, é de si mesmo; tudo o resto é transitório.

Descobrir-se-á que dinheiro, terras, antiguidades, posses, posição, fama e tudo o que esse mundo mais valoriza, estão entre coisas transitórias e de pouco ou nenhum valor para quem tenta se tornar imortal. As coisas que são valiosas são intangíveis, não dos sentidos.

Certo motivo e certo pensamentos na vida cotidiana, em todas as fases da vida cotidiana, não importa qual seja a caminhada da vida, são as coisas que contam. Não é a vida mais fácil que traz resultados mais rápidos. A vida de um eremita, longe de preocupações e tentações, não fornece os meios ou condições. Quem tem dificuldades, provações, tentações, mas as supera e permanece no controle delas e fiel ao seu objetivo inteligente de se tornar imortal, mais cedo e em menos vidas alcançará seu objetivo.

A atitude mental que é preeminentemente útil é que o buscador se conheça separado de seu corpo, separado de sua personalidade, seus desejos, emoções, sentidos e seus prazeres e sofrimentos. Ele deve se conhecer separado e independente de tudo isso, embora pareça tocar a si mesmo e às vezes pareça ser ele mesmo. Sua atitude deve ser a de que ele é do infinito, vivendo como o infinito, na eternidade, sem limites e divisões do tempo, ou consideração do espaço. Esse é o estado de imortalidade. Ele deve se acostumar a encarar isso como uma realidade. Então ele pode saber. Para imaginar que é insuficiente, e para falar sobre isso, inútil e infantil.

Os gostos e desgostos do homem são reflexos de sua própria alma? Se sim, como eles são refletidos? Caso contrário, de onde vêm esses gostos e desgostos

O termo "alma do homem" é usado de maneira promíscua e representa muitas fases das partes invisíveis daquilo que, como seu aspecto visível, é chamado homem. Alma pode significar sua condição pré-natal, ou a forma de sombra sem sentido após a morte, ou o princípio universal imortal que está nele durante a vida. A alma do homem é aqui considerada como a mente - o princípio do pensamento, a luz consciente no corpo. Os gostos e desgostos do homem não são reflexos de sua mente. Gostos e desgostos resultam da ação da mente com o desejo.

Quando a mente considera alguns dos desejos, gosta deles; outros desejam que a mente não gosta. Aquela natureza da mente que pensa no desejo, o desejo gosta; aquela natureza da mente que afasta o desejo e os sentidos, o desejo não gosta. Desta forma, são desenvolvidos gostos e desgostos entre mente e desejo. Os gostos e desgostos provêm da semelhança e da semelhança da mente e do desejo. A ninhada de gostos e desgostos do homem nasce e é criada dentro dele. Então ele manifesta seus gostos e desgostos sobre ele. Os gostos e desgostos criados em um homem criarão mais gostos e desgostos no homem que ele conhece; e esses causam ainda outros gostos e desgostos em outros homens que também espalham seus gostos e desgostos; para que o mundo esteja cheio de gostos e desgostos. Desta forma, pode-se dizer que o mundo é um reflexo dos gostos e desgostos do homem.

Gostamos do mundo e das coisas no mundo? Ou não gostamos deles? É inútil tentar parar de gostar ou não. É bom que o homem se recuse a sancionar mentalmente o que ele sabe não estar certo. Então ele registra uma antipatia digna. É melhor que o homem goste e pense naquilo que ele sabe estar certo, e faça. Desta forma, seus gostos têm valor e poder. Se ele trata gostos e desgostos dessa maneira consigo mesmo, outros o farão também, e o mundo mudará com os gostos e desgostos.

HW Percival