The Word Foundation

A

WORD

OUTUBRO, 1913.


Direitos autorais, 1913, de HW PERCIVAL.

MOMENTOS COM AMIGOS.

Qual é a razão da doutrina da expiação e como ela pode ser reconciliada com a lei do karma?

Se a expiação é tomada literalmente, e as causas que dizem ter feito a expiação necessária devem ser consideradas literalmente, não há explicação racional da doutrina; nenhuma explicação pode ser racional. A doutrina não é racional. Poucas coisas na história são tão repugnantes na feiúra, tão bárbaras no tratamento, tão ultrajantes à razão e ao ideal da justiça, como a doutrina da expiação. A doutrina é:

O único Deus, auto-existente por todo o tempo, criou os céus, a terra e todas as coisas. Deus criou o homem em inocência e ignorância, e o colocou em um jardim de prazer para ser tentado; e Deus criou seu tentador; e Deus disse ao homem que, se cedia à tentação, certamente morreria; e Deus fez uma esposa para Adão e eles comeram o fruto que Deus os proibiu de comer, porque acreditavam que era boa comida e os faria sábios. Então Deus amaldiçoou a terra, amaldiçoou Adão e Eva e os expulsou do jardim, amaldiçoando os filhos que eles deveriam dar à luz. E uma maldição de tristeza, sofrimento e morte estava sobre toda a humanidade futura por causa do consumo de Adão e Eva pelos frutos que Deus os proibiu de comer. Deus não pôde ou não revogou sua maldição até que, como foi dito, "ele deu seu único Filho", Jesus, como um sacrifício de sangue para remover a maldição. Deus aceitou Jesus como expiação pelo mal feito da humanidade, com a condição de que "todo aquele que nele crer não pereça", e com a promessa de que, com essa crença, "teriam a vida eterna". Por causa da maldição de Deus, cada alma que ele criou para cada corpo que nasceu no mundo estava condenada, e cada alma que ele criou está condenada a sofrer no mundo; e, após a morte do corpo, a alma está condenada ao inferno, onde não pode morrer, mas deve sofrer tormentos sem fim, a menos que a alma antes da morte acredite ser pecadora e acredite que Jesus veio para salvá-la de seus pecados. ; que o sangue que Jesus diz ter derramado na cruz é o preço que Deus aceita de seu único filho, como expiação pelo pecado e resgate da alma, e então a alma será admitida após a morte no céu.

Para as pessoas criadas sob as influências antiquadas de sua igreja, e especialmente se não estiverem familiarizadas com as leis naturais da ciência, sua familiaridade com essas declarações poupará a natureza não natural delas e impedirá que pareçam estranhas. Quando examinados à luz da razão, são vistos em sua hedionda nudez, e nem todos os fogos ameaçados do inferno podem impedir que quem vê vê denuncie tal doutrina. Mas quem denuncia a doutrina não deve denunciar a Deus. Deus não é responsável pela doutrina.

A doutrina literal da expiação não pode, em nenhum sentido, ser reconciliada com a lei do karma, porque então a expiação teria sido um dos eventos mais injustos e irracionais já registrados, enquanto o karma é a lei operativa da justiça. Se a expiação fosse um ato de justiça divina, a justiça divina seria um nome impróprio e mais injusto do que qualquer ato ilícito de um mortal. Onde existe um pai que daria ao seu único filho para ser perseguido e crucificado, assassinado por muitos manequins feitos por ele mesmo e que, por não saber como fazê-los agir de acordo com o seu prazer, pronunciara uma maldição de destruição sobre eles; depois se arrependeu de sua maldição e concordou em perdoá-los, se eles acreditassem que ele os havia perdoado, e que a morte e o derramamento do sangue de seu filho os desculparam de seus atos.

É impossível pensar em tal curso de ação como divino. Ninguém poderia acreditar que fosse humano. Todo amante de fair play e justiça teria pena dos manequins, sentiria simpatia e amizade pelo filho e exigiria punição ao pai. Um amante da justiça desprezaria a noção de que os manequins deveriam pedir perdão ao seu criador. Ele exigia que o criador pedisse perdão a eles por torná-los manequins e insistia que o criador deveria parar e corrigir seus muitos erros e corrigir todos os erros que cometera; que ele deve acabar com toda a tristeza e sofrimento que causou ser trazido ao mundo e dos quais alegou ter um pré-conhecimento, ou então, que ele deve fornecer seus manequins, não apenas o poder de raciocínio suficiente para questionar a justiça de seus decretos, mas com inteligência suficiente para permitir que eles vejam um pouco de justiça no que ele havia feito, para que eles possam ocupar seus lugares no mundo e continuar de bom grado o trabalho que lhes foi designado, em vez de serem escravos, alguns parecem gozar de luxo não adquirido e dos prazeres, posições e vantagens que a riqueza e a criação podem dar, enquanto outros são levados pela vida a passar fome, tristeza, sofrimento e doenças.

Por outro lado, nenhum egoísmo ou cultura é uma garantia suficiente para um homem dizer: o homem é a produção da evolução; a evolução é a ação ou o resultado da ação da força cega e da matéria cega; a morte acaba com tudo; não há inferno; não há salvador; Deus não existe; não há justiça no universo.

É mais razoável dizer: existe justiça no universo; pois a justiça é a ação correta da lei, e o universo deve funcionar por lei. Se a lei é necessária para o funcionamento de uma oficina, para impedir que ela se estrague, a lei não é menos necessária para o funcionamento das máquinas do universo. Nenhuma instituição pode ser conduzida sem uma orientação ou uma inteligência cumulativa. Deve haver inteligência no universo grande o suficiente para guiar suas operações.

Deve haver alguma verdade na crença na expiação, que viveu e foi bem-vinda no coração das pessoas por quase dois mil anos, e hoje conta com milhões de apoiadores. A doutrina da expiação é baseada em uma das grandes verdades fundamentais da evolução do homem. Essa verdade foi distorcida e distorcida por mentes destreinadas e não desenvolvidas, mentes não maduras o suficiente para concebê-la. Foi alimentado pelo egoísmo, sob influências de crueldade e matança, e cresceu em sua forma atual através da idade das trevas da ignorância. Faz menos de cinquenta anos desde que as pessoas começaram a questionar a doutrina da expiação. A doutrina viveu e viverá porque há alguma verdade na idéia da relação pessoal do homem com seu Deus, e por causa da idéia de auto-sacrifício pelo bem dos outros. As pessoas agora estão começando a pensar sobre essas duas idéias. A relação pessoal do homem com seu Deus e o auto-sacrifício pelos outros são as duas verdades da doutrina da expiação.

Homem é o termo geral usado para designar a organização humana com seus múltiplos princípios e naturezas. Segundo a visão cristã, o homem é um ser triplo, de espírito, alma e corpo.

O corpo foi feito dos elementos da terra e é físico. A alma é a forma na qual a matéria física é moldada e na qual estão os sentidos. Isso é psíquico. O espírito é a vida universal que entra e dá vida à alma e ao corpo. Isso é chamado espiritual. Espírito, alma e corpo compõem o homem natural, o homem que morre. Na morte, o espírito ou a vida do homem retorna à vida universal; o corpo físico, sempre sujeito à morte e dissolução, retorna através da desintegração aos elementos físicos dos quais foi composto; e, a alma, ou forma do físico, semelhante à sombra, desaparece com a dissolução do corpo e é absorvida pelos elementos astrais e pelo mundo psíquico de onde veio.

Segundo a doutrina cristã, Deus é uma trindade na Unidade; três pessoas ou essências em uma unidade de substância. Deus Pai, Deus Filho e Deus Espírito Santo. Deus Pai é o criador; Deus o Filho é o Salvador; Deus, o Espírito Santo, é o consolador; estes três subsistindo em um ser divino.

Deus é mente, auto-existente, diante do mundo e de seus inícios. Deus, a mente, se manifesta como natureza e como divindade. A mente agindo através da natureza cria o corpo, a forma e a vida do homem. Este é o homem natural sujeito à morte e que deve morrer, a menos que seja elevado acima da morte pela intervenção divina no estado de imortalidade.

A mente ("Deus, o pai", "o pai no céu") é a mente superior; quem envia uma parte de si mesmo, um raio ("o Salvador" ou "Deus o Filho"), a mente inferior, para entrar e viver no homem mortal humano por um período de tempo; após esse período, a mente inferior, ou raio da parte superior, deixa o mortal para retornar a seu pai, mas envia em seu lugar outra mente ("o Espírito Santo" ou "o Consolador" ou "Advogado"), um ajudante ou professor, para ajudar quem recebeu ou aceitou a mente encarnada como seu salvador, a cumprir sua missão, o trabalho pelo qual encarnou. A encarnação de uma porção da mente divina, chamada verdadeiramente o filho de deus, foi e é ou pode ser o redentor do homem mortal do pecado e seu salvador da morte. O homem mortal, o homem de carne, no qual ela veio ou pode vir, pode, pela presença da divindade dentro dele, aprender a mudar e pode mudar de sua condição natural e mortal para o estado divino e imortal. Se, no entanto, o homem não quiser continuar a evolução do mortal para o imortal, ele deve permanecer sujeito às leis da mortalidade e deve morrer.

O povo da terra não nasceu de um homem mortal e uma mulher mortal. Todo ser mortal no mundo humano é chamado de ser mortal por muitos deuses. Para todo ser humano existe um deus, uma mente. Cada corpo humano no mundo está no mundo pela primeira vez, mas as mentes que estão agindo através, com ou dentro dos seres humanos no mundo não estão mais agindo agora pela primeira vez. As mentes agiram de maneira semelhante com outros corpos humanos deles em tempos passados. Se não for bem-sucedido em resolver e aperfeiçoar o mistério da encarnação e expiação enquanto estiver atuando com ou no corpo humano atual, esse corpo e forma (alma, psique) morrerão e essa mente conectada a ele terá que encarnar repetidamente até que iluminação suficiente é obtida até que a expiação ou a unificação sejam realizadas.

A mente encarnada em qualquer ser humano é o filho de Deus, venha salvar esse homem da morte, se o homem pessoal tiver fé na eficácia de seu salvador para vencer a morte seguindo a Palavra, que o salvador, a mente encarnada, conhece ; e o ensino é comunicado em grau, de acordo com a fé do homem pessoal nele. Se o homem aceita a mente encarnada como seu salvador e segue as instruções que ele recebe, ele purifica seu corpo das impurezas, interrompe a ação errada (pecado) pela ação correta (justiça) e mantém seu corpo mortal vivo até que ele redima sua alma, a psique, a forma de seu corpo físico, da morte, e a tornou imortal. Esse curso de ação do treinamento do mortal humano e da sua transformação no imortal é a crucificação. A mente é crucificada em sua cruz de carne; mas por essa crucificação, o mortal, sujeito à morte, vence a morte e ganha vida imortal. Então o mortal colocou a imortalidade e é elevado ao mundo dos imortais. Filho de Deus, a mente encarnada cumpriu sua missão; ele fez o trabalho que é seu dever fazer, para que ele possa retornar a seu pai no céu, a mente superior, com quem ele se torna um. Se, no entanto, o homem que aceitou a mente encarnada como seu salvador, mas cuja fé ou conhecimento não é grande o suficiente para seguir os ensinamentos que recebeu, a mente encarnada ainda é crucificada, mas é uma crucificação pela descrença e pela dúvida. do mortal. É uma crucificação diária que a mente suporta na ou na sua cruz de carne. Para o humano, o curso é: O corpo morre. A descida da mente para o inferno é a separação dessa mente de seus desejos carnais e carnais durante um estado pós-morte. O surgimento dos mortos é a separação dos desejos. A ascensão ao céu, onde ele “julga os vivos e os mortos”, é seguida pela determinação de quais serão as condições do corpo mortal e da psique, que serão criadas para sua próxima descida ao mundo, com o objetivo de efetuar a iluminação e expiação.

Para o homem que é salvo, cuja mente encarnada torna imortal, toda a vida de Jesus deve passar enquanto ainda vive no corpo físico no mundo físico. A morte deve ser vencida antes que o corpo morra; a descida ao inferno deve ser antes, e não depois, da morte do corpo; a ascensão ao céu deve ser alcançada enquanto o corpo físico estiver vivo. Tudo isso deve ser feito conscientemente, voluntariamente e com conhecimento. Se não é, e o homem tem apenas uma crença em sua mente encarnada como o salvador, e se, apesar de entender como, mas não alcançando a vida imortal antes da morte, ele morre, então da próxima vez para a descida na atmosfera do mundo e na do homem mortal, a mente não entrará na forma humana que ele criou, mas a mente age como consoladora (o Espírito Santo), que ministra à alma humana e é um substituto para o filho de deus , ou mente, encarnada na vida anterior ou vidas. Isso ocorre por causa da aceitação prévia da mente pelo homem como filho de Deus. É o consolador ao seu redor que inspira, aconselha, dá instruções, para que, se o homem assim o desejar, ele possa continuar o trabalho pela imortalidade que havia sido deixada na vida anterior, interrompida pela morte.

Os seres humanos que não se voltam para a mente em busca de luz devem permanecer nas trevas e cumprir as leis da mortalidade. Sofrem a morte, e a mente conectada a eles deve passar pelo inferno durante a vida e durante sua separação da conexão terrena após a morte, e isso deve continuar através dos tempos, até que esteja disposto e capaz de ver a luz, para elevar a luz. mortal à imortalidade e tornar-se um com sua fonte mãe, seu pai no céu, que não pode ser satisfeito até que a ignorância dê lugar ao conhecimento e as trevas se transformem em luz. Este processo foi explicado em Editorials Living Forever, vol. 16, n. 1-2, e em Momentos com Amigos na Palavra, vol. 4, página 189, e Vol. 8, página 190.

Com esse entendimento da doutrina da expiação, pode-se ver o que se entende por "e Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna". Com esse entendimento, a doutrina da expiação é reconciliada com a lei da inabalável justiça constante e eterna inexorável, a lei do karma. Isso explicará a relação pessoal do homem com seu deus.

A outra verdade, a idéia do auto-sacrifício para o bem dos outros, significa que depois que o homem encontrar e seguir sua mente, sua luz, seu salvador, vencer a morte e ganhar a vida imortal e se considerar imortal, ele o fará. não aceita as alegrias do céu que conquistou, só para si, mas, em vez de ficar satisfeito com sua vitória sobre a morte e gozar sozinho dos frutos de seu trabalho, determina prestar seus serviços à humanidade para aliviar suas tristezas e sofrimentos, e ajudá-los a encontrar a divindade interior e a alcançar a apoteose que ele alcançou. Este é o sacrifício do eu individual ao eu universal, da mente individual à mente universal. É o deus individual se tornando um com o Deus universal. Ele vê, sente e conhece a si mesmo em toda alma humana viva, e toda alma como estando nele. É o princípio Eu sou Tu e Tu és eu. Nesse estado, realiza-se a paternidade de Deus, a irmandade do homem, o mistério da encarnação, a unidade e a unicidade de todas as coisas e a totalidade do Uno.

Um amigo [HW Percival]