The Word Foundation

A

WORD

NOVEMBRO, 1915.


Direitos autorais, 1915, de HW PERCIVAL.

MOMENTOS COM AMIGOS.

O que é memória?

Memória é a reprodução de impressões por qualidades, atributos ou faculdades inerentes àquilo em que as impressões foram feitas. A memória não produz um assunto, coisa ou evento. A memória reproduz as impressões que foram feitas pelo sujeito, coisa ou evento. Todos os processos necessários para a reprodução de impressões estão incluídos no termo memória.

Existem quatro tipos de memória: memória dos sentidos, memória da mente, memória cósmica, memória infinita. Memória infinita é o ser consciente de todos os estados e ocorrências por toda a eternidade e tempo. A memória cósmica é a reprodução de todos os acontecimentos do universo em sua eternidade. A memória da mente é a reprodução ou revisão pela mente das mudanças pelas quais ela passou desde a sua origem. Não há vantagem prática derivada de investigar a natureza da memória infinita e cósmica da mente. Eles são mencionados aqui por uma questão de integridade. A memória dos sentidos é a reprodução pelos sentidos das impressões feitas sobre eles.

A memória que é usada pelo homem é a memória dos sentidos. Ele não aprendeu a usar e não conhece os outros três - memória da mente, memória cósmica e memória infinita - porque sua mente é treinada para usar apenas a memória dos sentidos. A memória sensorial é mantida pelos animais, plantas e minerais. Em comparação com o homem, o número de sentidos trabalhando para produzir memória diminui no animal, na planta e no mineral. A memória dos sentidos do homem pode ser chamada de memória da personalidade. Existem sete ordens de memórias que compõem a memória completa da personalidade. Existem sete sentidos na personalidade completa do homem. Essas sete memórias sensoriais ou ordens de memórias de personalidade são: memória visual, memória sonora, memória gustativa, memória olfativa, memória tátil, memória moral, “eu” ou memória de identidade. Esses sete sentidos compõem o único tipo de memória que o homem tem em seu estado atual. Assim, a memória da personalidade limita-se ao tempo em que aquele que lembra se reproduz para si mesmo suas primeiras impressões deste mundo, para a reprodução das impressões feitas nos momentos que precedem o momento presente. A maneira de registrar as impressões e reproduzir as impressões registradas através da visão, som, paladar, olfato, toque, sentidos moral e do "eu", e os intrincados processos e misturas destes para mostrar o trabalho detalhado necessário para "uma memória , "Seria muito longo e cansativo. Mas pode ser feita uma pesquisa que pode ser interessante e fornecer uma compreensão da memória da personalidade.

A arte da fotografia ilustra a memória visual - como as impressões dos objetos são recebidas e registradas e como as impressões são posteriormente reproduzidas do registro. Um instrumento fotográfico é uma aplicação mecânica do sentido da visão e da ação de ver. Ver é o funcionamento do mecanismo do olho e suas conexões, para registrar e reproduzir impressões reveladas e produzidas pela luz. Ao fotografar um objeto, a lente é descoberta e, voltada para o objeto, a abertura do diafragma é ajustada para a admissão da quantidade certa de luz, o foco é determinado pela distância da lente do objeto a ser fotografado; o limite de tempo para a exposição - do filme ou placa sensibilizada pronto para receber a impressão do objeto antes dele - é dado e a impressão, a foto, é tirada. Abrir as pálpebras descobre a lente do olho; a íris, ou diafragma do olho, ajusta-se automaticamente à intensidade ou ausência de luz; a pupila do olho se expande ou contrai para focalizar a linha de visão do objeto próximo ou distante; e o objeto é visto, a foto é tirada pelo sentido da visão, enquanto o foco é mantido.

Os processos de visão e fotografia são semelhantes. Se o objeto se mover ou se a lente se mover ou o foco mudar, haverá uma imagem borrada. O sentido da visão não é um dos aparelhos mecânicos do olho. O sentido da visão é uma coisa distinta, um ser distinto do mero mecanismo do olho, pois a placa ou o filme está distante da câmera. É esse sentido da visão, distinto de estar conectado com o mecanismo do olho, que registra as impressões ou imagens dos objetos recebidos através do aparato mecânico do olho.

Ver é a obtenção dos registros que podem ser reproduzidos pela memória visual. A memória visual consiste em jogar ou imprimir na tela de visão a imagem ou impressão que foi registrada e corrigida pelo sentido da visão no momento em que o objeto é reproduzido. Esse processo de memória visual é ilustrado pela impressão de imagens do filme ou da placa após o seu desenvolvimento. Cada vez que uma pessoa ou coisa é lembrada, uma nova impressão é feita, por assim dizer. Se alguém não tem uma memória clara da imagem, é porque o que é visão, o sentido da visão, é subdesenvolvido e destreinado. Quando o senso visual é desenvolvido e treinado, ele pode reproduzir qualquer cena ou objeto pelo qual foi impressionado com toda a vivacidade e realismo presentes no momento em que foi visto.

Mesmo as impressões fotográficas, se tiradas em cores, seriam cópias ou ilustrações ruins da memória visual quando bem treinadas. Um pequeno experimento pode convencer uma das possibilidades de sua memória visual ou de outras memórias sensoriais que compõem sua memória pessoal.

Deixe-os fechar os olhos e virá-los para uma parede ou mesa sobre a qual há muitos objetos. Agora, deixe-o abrir os olhos por uma fração de segundo e fechá-los, tentando naquele momento ver tudo em que seus olhos estavam voltados. O número de coisas que ele vê e a distinção com que ele as vê servirão para mostrar o quão pouco desenvolvida é sua memória visual. Um pouco de prática mostrará como é possível que ele desenvolva sua memória visual. Ele pode dar um longo tempo ou uma curta exposição, para ver o que ele pode ver. Quando ele desenha as cortinas sobre os olhos, alguns dos objetos que ele vê com os olhos abertos serão vagamente vistos com os olhos fechados. Mas esses objetos ficam mais escuros e finalmente desaparecem, e ele não pode vê-los e, na melhor das hipóteses, tem apenas uma impressão nítida em sua mente do que vira com a memória visual. O desaparecimento da imagem se deve à incapacidade do sentido da visão de reter a impressão causada pelo objeto. Com o exercício da visão ou da memória da imagem para reproduzir objetos presentes com os olhos fechados ou para reproduzir cenas ou pessoas passadas, a memória da imagem será desenvolvida e poderá ser fortalecida e treinada a ponto de produzir feitos surpreendentes.

Este breve resumo da memória visual servirá para indicar quais são as outras memórias sensoriais e como elas funcionam. Como a fotografia ilustra a memória visual, o fonógrafo é ilustrativo da gravação de sons e da reprodução dos registros como memórias sonoras. O sentido sonoro é tão distinto do nervo auditivo e do aparelho auditivo quanto o sentido visual é distinto do nervo óptico e do aparelho ocular.

Dispositivos mecânicos podem ser produzidos para copiar o sentido do paladar, o olfato e o tato, pois a câmera e o fonógrafo são equivalentes, mesmo que cópias e cópias ruins sejam inconscientemente - dos órgãos humanos conectados aos sentidos da visão e do som.

A memória dos sentidos morais e a memória dos sentidos do "eu" são os dois sentidos distintamente humanos e são devidos e possibilitados pela presença da mente imortal que usa a personalidade. Pelo sentido moral, a personalidade aprende as leis de sua vida e as reproduz como memória moral, no que diz respeito à questão do certo e do errado. A memória dos sentidos do "eu" permite que a personalidade se identifique em relação a qualquer evento nas cenas ou ambientes em que viveu. Atualmente, a mente encarnada não tem memória além da memória da personalidade, e as memórias de que é capaz são apenas aquelas que foram nomeadas e que compõem a personalidade como um todo, limitada ao que pode ser visto ou ouvido, ou cheirava, provava ou tocava, e que parece certo ou errado, tão preocupado consigo mesmo quanto uma existência separada.

In a palavra de dezembro será respondida a pergunta "O que causa perda de memória" e "O que faz com que alguém esqueça seu próprio nome ou onde mora, embora sua memória não possa ser prejudicada em outros aspectos".

HW Percival